A sombra de uma elevada dívida paira sobre a economia mundial

“Os EUA é o único país em que a proporção da dívida pública em relação ao PIB deve subir de 108% em 2017 para 117% em 2023”, disse Vitor Gaspar, diretor do departamento de Assuntos Fiscais do Fundo, aos jornalistas, citado pelo El Economista.

Bogdan Cristel/Reuters
Ler mais

A dívida global, impulsionada pela China e pelos EUA, está em níveis recordes e causará “desafios que serão inevitáveis no futuro”, especialmente se a Federal Reserve (Fed) dos EUA for forçada a acelerar o seu ritmo de ajuste monetário para combater um aumento súbito da inflação nos EUA, escreve o El Economista/agência EFE.

Na sua reunião da primavera na semana passada, o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou que a dívida global somava 164 mil milhões de dólares, representando 225% do PIB, e pediu para conter esta tendência, mediante a consolidação fiscal.

O número da dívida é 12 pontos percentuais acima do recorde anterior de 2009, observou o Fundo, quando os governos estavam no meio de um enorme ciclo de despesa pública para combater a crise financeira.

Por essa razão, os analistas viram com espanto a decisão do governo do presidente Donald Trump de lançar um enorme estímulo fiscal numa altura de aumento dos gastos e cortes de impostos significativos para as empresas e, em menor escala, para os trabalhadores, e alertaram sobre um possível aumento da inflação.

“Os EUA é o único país em que a proporção da dívida pública em relação ao PIB deve subir de 108% em 2017 para 117% em 2023”, disse Vitor Gaspar, diretor do departamento de Assuntos Fiscais do Fundo, aos jornalistas.

De acordo com os últimos cálculos do Congressional Budget Office (CBO), os EUA verão mais uma vez o aumento do déficit federal acima de um trilião de dólares em 2020, impulsionado pela expansão fiscal de Trump e alimentando ainda mais a espiral da dívida.

Tudo isso num contexto incomum, já que o desemprego nos EUA deve cair para 3,5%, um rácio que não se via há cinco décadas, e para o qual Maurice Obstfeld, economista-chefe do Fundo, reconheceu que “não ou há uma boa referência da dinâmica da inflação que pode ocorrer nesses níveis próximos do pleno emprego”.

“Há opções para a inflação aumentar acentuadamente, provocando um aumento maior do que o esperado nas taxas de juros nos EUA”, afirmou o economista, referindo-se ao ritmo do ajustamento da Fed, cujas taxas estão atualmente entre 1,5%. e 1,75%.

O problema, para Obstfeld, é que “a isto soma-se o fato de que a dívida global ser muito alta e uma boa parte está denominada em dólares, de modo que poderá adicionar tensões às instituições financeiras soberanas dos países”.

O Fed prevê dois aumentos adicionais das taxas em 2018, depois do anunciado aumento em março, mas os mercados já começaram a falar de um terceiro aumento se as pressões inflacionistas forem consolidadas.

“Com os novos dados que apoiam as previsões básicas, provavelmente a Fed vai continuar a elevar as taxas de juro a em cada trimestre, até um total de quatro aumentos este ano”, disse ele à Efe Tim Duy, professor Economia da Universidade de Oregon, segundo o El Economista.

Como se isso não bastasse, o rendimento do título de 10 anos do Tesouro dos EUA ultrapassou 3%, pela primeira vez em mais de quatro anos, o que aumenta a pressão sobre os devedores (detentores de dívida).

Os investidores agora parecem apostar que a subida dos preços irá corroer o valor da dívida pública, o que aumenta o rendimento (yields) dos títulos.

Na verdade, a Fed começou a alertar que a inflação parece acelerar o seu curso. E já se  espera que permaneça acima da meta anual de 2% do PIB ditada pelo banco central, pelo menos “por um par de anos”. Além disso, o aumento nos últimos meses do preço do petróleo, elevou o custo da gasolina e gasóleo, contribui para isso.

A taxa de inflação interanual nos EUA foi de 2,4% em março, a maior em um ano.

Recomendadas

Ministro da Economia pela primeira vez no Modtissimo

Manuel Caldeira Cabral vai estar no mais antigo certame ibérico do setor, que este ano espera mais de 400 compradores internacionais.

Autoestradas nacionais: uma rede a funcionar ao contrário

Um estudo da Associação Comercial do Porto afirma que a rede é ineficiente, cara e não serve os propósitos da sua criação. O Governo parece estar de acordo.

Nuno Amado: “Taxas de juro do crédito no último ano demonstram que a concorrência foi normalizada em Portugal”

Em entrevista ao jornal “Público” o agora presidente não executivo do BCP fala das mudanças no banco e também da exposição que os bancos portugueses tiveram no mercado internacional.
Comentários