ACO Shoes cresce na Europa de Leste

Empresa do ex-Presidente da Câmara de Famalicão exporta calçado para 35 países e atingiu uma faturação da ordem dos 35 milhões de euros.

As exportações de calçado para a Rússia, diversos países da antiga URSS e outros da Europa de leste são as responsáveis pelo crescimento global de 8% da faturação de 2017 (para os cerca de 35 milhões de euros) da ACO – Fábrica de Calçado, a empresa de Armindo Costa, antigo presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.

“Cinco anos depois de termos entrado nos mercados do leste da Europa atingimos a consolidação, sendo de salientar as exportações para a Rússia e diversos países da antiga URSS”, afirma Armindo Costa em comunicado.

A ACO foi fundada por Armindo Costa em 1975 no concelho de Vila Nova de Famalicão, onde atualmente emprega 400 pessoas, tendo duas unidades de apoio à produção suas participadas, a ECCO Conforto, no município de Ponte de Lima, e a ICCO, na ilha de S. Vicente, em Cabo Verde, que contam com 150 e 260 trabalhadores, respetivamente. Especializada em calçado de conforto, a ACO produz 1,5 milhões de pares de sapatos por ano (mais de 5 mil pares por cada dia útil). Além de estar disponível em Portugal, o calçado da ACO é vendido em 35 países.

Numa época que foi de crise nos mercados tradicionais, o investimento feito pela ACO nos mercados no leste da Europa “foi uma aposta ganha”, diz ainda o comunicado. “Conseguimos manter as exportações para os mercados tradicionais e conseguimos subir as nossas vendas na Europa de leste”, explica Armindo Costa, manifestando-se “muito satisfeito com os resultados obtidos pela ACO Shoes” no ano que terminou.

Entretanto, e dando continuidade à área de investigação e desenvolvimento, a ACO tem reservada para 2018 uma aposta em novos produtos de alto valor acrescentado, designadamente com a criação de “um calçado mais técnico”, que se insere numa estratégia virada para o mercado português.

Recomendadas

BPI vence Prémio Cinco Estrelas na categoria de Banca Digital

O BPI é líder na penetração do homebanking, com quase metade dos seus clientes particulares a serem utilizadores deste canal. O mesmo acontece no caso dos clientes empresariais, em que 84,5% usam os canais digitais do Banco. Isto segundo o estudo BASEF Banca relativo ao período de fevereiro a agosto de 2018.

Fever vai investir cinco milhões em co-organização de eventos em Portugal

A ronda de financiamento contou também com a participação dos já investidores Accel Partners e 14W Ventures, além da Portugal Ventures e da Caixa Capital.

BCP é a Escolha do Consumidor 2019 na categoria Grandes Bancos

O Banco registou o maior grau de satisfação dos inquiridos face à concorrência, com 7,33 (de 1 a 10), terminando com um índice de satisfação de 71,69% entre os dois mil consumidores consultados.
Comentários