ACO Shoes cresce na Europa de Leste

Empresa do ex-Presidente da Câmara de Famalicão exporta calçado para 35 países e atingiu uma faturação da ordem dos 35 milhões de euros.

As exportações de calçado para a Rússia, diversos países da antiga URSS e outros da Europa de leste são as responsáveis pelo crescimento global de 8% da faturação de 2017 (para os cerca de 35 milhões de euros) da ACO – Fábrica de Calçado, a empresa de Armindo Costa, antigo presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.

“Cinco anos depois de termos entrado nos mercados do leste da Europa atingimos a consolidação, sendo de salientar as exportações para a Rússia e diversos países da antiga URSS”, afirma Armindo Costa em comunicado.

A ACO foi fundada por Armindo Costa em 1975 no concelho de Vila Nova de Famalicão, onde atualmente emprega 400 pessoas, tendo duas unidades de apoio à produção suas participadas, a ECCO Conforto, no município de Ponte de Lima, e a ICCO, na ilha de S. Vicente, em Cabo Verde, que contam com 150 e 260 trabalhadores, respetivamente. Especializada em calçado de conforto, a ACO produz 1,5 milhões de pares de sapatos por ano (mais de 5 mil pares por cada dia útil). Além de estar disponível em Portugal, o calçado da ACO é vendido em 35 países.

Numa época que foi de crise nos mercados tradicionais, o investimento feito pela ACO nos mercados no leste da Europa “foi uma aposta ganha”, diz ainda o comunicado. “Conseguimos manter as exportações para os mercados tradicionais e conseguimos subir as nossas vendas na Europa de leste”, explica Armindo Costa, manifestando-se “muito satisfeito com os resultados obtidos pela ACO Shoes” no ano que terminou.

Entretanto, e dando continuidade à área de investigação e desenvolvimento, a ACO tem reservada para 2018 uma aposta em novos produtos de alto valor acrescentado, designadamente com a criação de “um calçado mais técnico”, que se insere numa estratégia virada para o mercado português.

Recomendadas

Sindicatos chegam a acordo com Transtejo e Soflusa e equacionam levantar greve

Os sindicatos dos trabalhadores da Transtejo e Soflusa aceitaram esta segunda-feira um aumento de 28 euros para todas as categorias.

Reformados do BCP exigem aumentos das pensões

A moção com esta exigência foi aprovada em reunião em 18 de julho, referindo essa moção que estes reformados que, ao contrário dos outros pensionistas bancários, não vêem as pensões atualizadas desde 2010.

EuroBic também anuncia Verão sem gravata

Mais um banco a aderir à moda de deixar de obrigar ao uso da gravata. Desta vez é o EuroBic, depois do Montepio e do BCP. Lá fora a moda parece ter vindo para ficar.
Comentários