Armando Vara tem três dias para se apresentar na cadeia de Évora

Ex-ministro terá de cumprir cinco anos de prisão efetiva e para isso, tem três dias para se apresentar na cadeia de Évora.

A juíza titular do processo Face Oculta deu hoje três dias para o arguido Armando Vara se apresentar em estabelecimento prisional para cumprir a pena de cinco anos de prisão a que foi condenado, informou fonte judicial.

“A senhora juíza despachou há pouco o processo seguindo a promoção do Ministério Público”, disse à Lusa o juiz presidente da Comarca de Aveiro, Paulo Brandão, explicando que foi concedido o prazo de três dias para Armando Vara se apresentar em estabelecimento prisional, sem o que serão emitidos mandados.

Armando Vara foi condenado em setembro de 2014 pelo Tribunal de Aveiro a cinco anos de prisão efetiva por três crimes de tráfico de influência, depois do coletivo de juízes ter dado como provado que o antigo ministro e ex-vice-presidente do BCP recebeu 25 mil euros do sucateiro Manuel Godinho, o principal arguido no caso, como compensação pelas diligências por si empreendidas e a empreender em favor das suas empresas.

No passado mês de julho de 2018, em declarações à agência “Lusa”, o advogado Tiago Rodrigues Bastos confirmou que iria “apresentar uma reclamação” para a conferência de juízes do TC, para evitar que começasse imediatamente a cumprir a pena.

Já em novembro do mesmo ano o Tribunal da Relação do Porto manteve esta condenação do antigo vice-presidente do BCP neste processo.

O processo Face Oculta está relacionado com uma alegada rede de corrupção que teria como objetivo o favorecimento do grupo empresarial do sucateiro Manuel Godinho nos negócios com empresas do setor do Estado e privadas.

Além de Armando Vara mais três arguidos neste processo com penas efetivas e cuja sentença passou a ser definitiva: João Tavares, ex-funcionário da Petrogal, com uma pena de cinco anos e nove meses para cumprir, o ex-quadro da Refer Manuel Guiomar, condenado a seis anos e meio, e o ex-funcionário da Lisnave Manuel Gomes, condenado a uma pena de quatro anos e quatro meses.armando va

Ler mais
Relacionadas

Armando Vara poderá ser preso nas próximas horas

O mandato de detenção para o ex-administrador da Caixa Geral Depósitos (CGD) já foi emitido, avança o Correio da Manhã. Armando Vara foi condenado em setembro de 2014 pelo Tribunal de Aveiro a cinco anos de prisão efetiva, por três crimes de tráfico de influência, no âmbito do processo Face Oculta.

Face Oculta: Documentos em falta para prisão de Vara já estão no tribunal de Aveiro

Em causa estavam dois apensos da reclamação, bem como outros elementos como o Termo de Identidade e Residência dos arguidos recorrentes e instrumentos de procuração, notificações de atos processuais, autos de interrogatório judicial e despachos relativos a eventuais medidas de coação, certificação de mandados ou autos de detenção.

Face Oculta: MP pediu “aceleração processual” relativamente a um dos arguidos

O Ministério Público pediu “aceleração processual” para a emissão do mandado de condução à cadeia relativamente a um dos dez arguidos do processo Face Oculta condenados a penas de prisão efetiva, informou esta sexta-feira a Procuradoria Geral Distrital do Porto.
Recomendadas

Resolução do BES: ‘Garantia Angola’ nunca foi aceite pelo Banco de Portugal

O Banco de Portugal “nunca questionou a validade da garantia soberana”, mas acabou por não a considerar, aquando da resolução, porque faltavam dois anexos onde constavam os créditos e ativos imobiliários que estavam a ser cobertos pela garantia, impossibilitando o supervisor bancário nacional de proceder à análise da garantia soberana.

Exclusivo JE: Hacker Rui Pinto chega amanhã a Portugal. Extradição confirmada

É nesta quinta-feira, 21 de março, que o denunciante do Football Leaks será transferido da cadeia húngara para Portugal, após decisão de extradição as autoridades judiciais da Hungria que indeferiram o recurso da defesa de Rui Pinto. Data acordada entre os dois países foi avançada ao JE por fonte próxima ao processo.

PremiumTribunal conclui que não existiam investidores dispostos a salvar o BES e que resolução era inevitável

O Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa concluiu que a resolução era a única solução de que o Banco de Portugal dispunha para lidar com a crise no BES.
Comentários