Bolsonaro seria um “desastre” como presidente, diz a ‘The Economist’

Em reportagem de capa, a revista compara o candidato do PSL a Trump, nos Estados Unidos, e a Rodrigo Duterte, nas Filipinas, e diz que sua admiração por ditadores é “preocupante”.

A revista britânica ‘The Economist’ considera que uma possível eleição de Jair Bolsonaro (Partido Social Liberal) colocaria a democracia do Brasil e da América Latina em risco. Segundo a publicação, o candidato seria um “desastre” como presidente.

“Bolsonaro é o último de uma onda de populistas, que vai de Donald Trump nos Estados Unidos, a Rodrigo Duterte nas Filipinas e a uma coligação de Matteo Salvini na Itália. A sua adesão a esse clube é particularmente, desagradável”, compara a revista, desde sempre liberal.

Em reportagem de capa na edição desta semana, a revista afirma que o Brasil enfrenta dias difíceis, “com uma economia desastrosa, finanças públicas sob pressão e uma política completamente podre”.

Traçando a trajetória dos discursos polémicos do ex-deputado, a publicação afirma que Bolsonaro mostra-se como a salvação para uma parcela de brasileiros que não querem mais “políticos corruptos e traficantes de drogas nos comandas do país”.

A sua estratégia, continua a reportagem, é misturar o conservadorismo da igreja evangélica com o liberalismo económico, numa amálgama que os liberais tradicionais têm considerado como a pior fase do capitalismo. A escolha de Paulo Guedes como principal conselheiro económico, diz a revista, é uma das ações do candidato para encantar os defensores do livre mercado.

A The Economist também destaca o episódio de esfaqueamento do ex-militar, que “só o tornou mais popular e protegeu-o de um exame mais minucioso pela comunicação social e pelos seus opositores”.

A revista destaca a “preocupante admiração” de Bolsonaro por regimes ditatoriais. “A resposta do Sr. Bolsonaro ao crime é, na verdade, matar mais criminosos – embora, em 2016, a polícia tenha morto mais de 4.000 pessoas”, afirma a reportagem.

Ainda segundo a The Economist, “a América Latina conhece todos os tipos de homens fortes, a maioria deles terríveis”. Relembra a situação na Venezuela e na Nicarágua e afirma que “a democracia no Brasil ainda é jovem e enfrenta um autoritarismo preocupante”.

Bolsonaro, no entanto, não é o homem que irá avançar com as reformas necessárias, diz a revista: “os brasileiros devem perceber que a tarefa de sarar a democracia e reformar a economia não será fácil nem rápida. Algum progresso foi feito, mas muito mais reformas ainda são necessárias”.

Ler mais
Relacionadas

Brasil: Haddad sobe nas sondagens e acentua polarização entre esquerda e direita

Uma sondagem divulgada hoje pela Confederação Nacional Dos Transportes (CNT/MTA) coloca Jair Bolsonaro (28,2%) na liderança das intenções de voto, seguido por Fernando Haddad (17,6%), Ciro Gomes (10,8%) e Geraldo Alckmin (6,1%).

Brasil: Bolsonaro sobe na primeira sondagem após ataque

Com um aumento de quatro pontos percentuais em relação à semana anterior, Bolsonaro é seguido pelo candidato Ciro Gomes do Partido Democrático Trabalhista (PDT), que mantém 12% das intenções de voto, de acordo com uma sondagem encomendada pelo banco BTG Pactual ao Instituto FSB.
Recomendadas

Comunidade Económica da África Ocidental quer moeda única em 2020

Os 15 países da CEDEAO reafirmaram esta segunda-feira, em Abidjan, o objetivo de lançar uma moeda única em 2020, apesar dos “desafios” deste projeto pensado há 30 anos.

Crise em Angola obriga empresários a recrutarem mais talentos angolanos

Estudo divulgado esta segunda-feira revela que as empresas angolanas, em 2018, recrutaram mais licenciados e bacharéis para trabalhar na área tecnológica, com maior domínio de HTML, Java, SQL, Visual Basic e Visual Basic Net.

Morsi, antigo presidente do Egito, morre em tribunal

O antigo presidente do Egipto Mohammed Morsi, acusado de espionagem, morreu em tribunal, avança a televisão pública egípcia.
Comentários