Brexit: descontentes trabalhistas e conservadores podem formar novo partido

A nova formação poderia tentar somar os conservadores que não querem o Brexit aos trabalhistas que não querem o partido tão à esquerda como está pela mão de Jeremy Corbyn.

Reuters

São cada vez mais sonoros os rumores de que um grupo de parlamentares trabalhistas, conservadores e liberais democratas descontentes com o rumo que a questão do Brexit está a tomar poderá avançar para a criação de um novo partido de centro-direita. A nova formação pode tentar navegar nas águas das formações tradicionais, atraindo os conservadores que não querem sair da União Europeia e os trabalhistas que não se revêm na agenda esquerdista de Jeremy Corbyn, atual líder do partido.

Os rumores subiram de tom durante o fim-de-semana, altura em que a primeira-ministra Theresa May escreveu uma carta aberta no jornal “Observer” em que afirma que está chegada a hora de o eleitorado trabalhista desistir de ideologias extremistas e juntar os seus votos aos conservadores para criarem, ou recuperarem, o conceito de One Nation, que teve em Margaret Thatcher a sua grande inspiradora.

A primeira-ministra diz no seu texto que se as pessoas que antes apoiavam os trabalhistas olhassem para o programa do seu governo, onde se encontram promessas de aumentar a construção de moradias e abrir os mercados das dívidas privadas, descobririam que não são motivos ideológicos mas valores que estão por trás da sua nova postura – inaugurada na convenção conservadora da semana passada.

“Eu quero que os eleitores que anteriormente pensavam em si mesmos como partidários dos trabalhistas olhem para o meu governo de novo. Encontrarão um programa decente, moderado e patriótico que merece apoio”, afirma Theresa May.

May argumenta que num tempo em que as tradicionais alianças políticas contam cada vez menos, os conservadores agora têm a responsabilidade de “oferecer o nosso apoio” a milhões de ex-eleitores trabalhistas que estão insatisfeitos com as movimentações do partido sob liderança de Jeremy Corbyn.

Recomendadas

Mundial da Rússia, Incêndios de Monchique e Bruno de Carvalho lideram tendências do Google em Portugal

A Google revelou os resultados anuais em termos de pesquisa na perspetiva dos momentos que marcaram o ano de 2018 no nosso país e no mundo.

Respostas Rápidas: Mais de uma dezena de feridos e um suspeito a monte. O que aconteceu em Estrasburgo?

O novo balanço das autoridades francesas aponta para duas vítimas mortais e mais de uma dezena de feridos. Atacante terá fugido para Alemanha. O Governo francês elevou o nível de alerta no país para “emergência por atentado”.

CFO da Huawei paga 6,6 milhões de euros para sair em liberdade

Meng Wanzhou foi libertada após o pagamento da fiança por ordem do juiz canadiano William Ehrcke. A diretora financeira da Huawei é acusada pelas autoridades dos EUA de fraude por violar as sanções comerciais impostas pelos norte-americanos ao Irão.
Comentários