Brexit: há 70% de possibilidades do acordo passar, confia economista da Schroders

Existem 70% de possibilidades do acordo técnico assinado entre o Governo de Theresa May e Bruxelas passar, acredita Azad Zangana, Senior European Economist da gestora britânica Schroders.

Stefan Wermuth / Reuters

Na conferência anual da gestora em Londres, Zangana sublinhou que as dúvidas são grandes e citou um inquérito de opinião feito esta última quarta feira e onde os participantes eram questionados sobre a possibilidade dos parlamentares suportarem o acordo, a par de uma nova votação para fazer recuar o Brexit e ainda de uma terceira sugestão que seria uma saída sem acordo. A votação revelou um terço de votos para cada uma das possibilidades.

O documento que provocou a demissão de vários ministros do Governo de May e uma queda abrupta da libra esterlina está numa fase meramente técnica e terá de ser aprovado pelos parlamentares britânicos e europeus, para além dos Governos dos 27 e ainda pelo Conselho de Ministros britânico, algo que se revela ser o mais difícil.

Azad, que apresentou quatro grandes cenários para o Brexit, incluindo uma saída desregulada, afirmou no evento da Schroders que perante um cenário sem acordo formal o cross libra/US dollar oscilara entre 1,05 e 1,20 e com acordo o possível cenário central na paridade das duas moedas situar-se-à nos 1,40.

O Senior European Economist da gestora britânica Schroders sublinhou que aquilo que aconteceu esta semana foi o início de um acordo que a 25 de novembro poderá significar um documento final com uma possível reunião extraordinária com os 27 estados membros.

Entre os quatro cenários apresentados pelo economista, o do ‘hard’ Brexit é aquele em que a maioria dos analistas acredita. O segundo cenário, de um ‘soft’ Brexit, que significa manter o mercado e inclusivamente pensar num retrocesso é pouco provável.

Há ainda um possível contexto de extensão do período de transição que iria gerar incerteza nos negócios e, por último, Zangana não afasta o pior dos cenários com a saída desordenada.

* o jornalista viajou a convite da Schroders

 

Ler mais
Relacionadas

Moção de censura a Theresa May subscrita por Conservador eurocético

Em causa está a oposição ao projeto de acordo de divórcio que May negociou com a União Europeia (UE), porque não concretiza um imediato corte com a união aduaneira e regras europeias.

Jacob Rees-Mogg aumenta pressão no confronto com Theresa May

O líder da oposição interna a Theresa May parece estar a preparar um ‘assalto’ à posição da primeira-ministra. Imprensa diz que Rees-Mogg vai enviar carta ao Comité 1922.

Augusto Santos Silva sobre acordo do Brexit: “É muito satisfatório do ponto de vista dos interesses de Portugal”

O ministro dos Negócios Estrangeiros considerou esta quinta-feira que o rascunho do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia é “muito satisfatório” e afirmou que Portugal foi “daqueles que mais batalharam” para este resultado.

Ministra adjunta para o Brexit é a quarta demissão no governo de Theresa May

“É com profundo pesar e após reflexão que renuncio hoje como ministra adjunta para o Brexit. Obrigado pela oportunidade. Esta não foi uma decisão fácil”, anunciou Suella Braverman na sua conta do Twitter.

Mais uma baixa no governo britânico. Ministra do Trabalho demite-se

Esther McVey informou Theresa May sobre a saída esta quinta-feira de manhã. “As propostas apresentadas, que em breve serão julgadas por todo o país, significam entregar cerca de 39 mil milhões de libras para a União Europeia sem nada em troca. Isso vai-nos aprisionar numa união aduaneira, apesar de você prometer especificamente ao povo britânico que não seríamos”, argumenta.
Recomendadas

Bancos dão ordem para executar totalidade da Coleção Berardo

CGD, BCP e Novo Banco deram à execução penhores sobre 100% dos títulos de participação dados como garantia de créditos de mais de 900 milhões.

ASAE apanha talhos a vender carne falsificada e estragada

As principais infrações registadas foram o abate clandestino, a venda de produtos alimentares estragados ou falsificados e a fraude sobre mercadorias, tanto em talhos de rua como em superfícies comerciais.

Medina diz que verdadeiro debate é “se vamos ou não ser capazes de concertar a União Económica e Monetária”

Fernando Medina referiu este sábado que a questão central na Europa é que “o regime monetário não esta resolvido mais de dez anos passados sobre a crise”.
Comentários