Cabo Verde celebra 44 anos de independência

Esta sexta-feira é feriado no país africano, para celebração da sua independência de Portugal, em 1975.

O presidente da Assembleia Nacional enalteceu os propósitos da independência nacional e prestou uma justa homenagem aos combates da liberdade da pátria pela sua participação na luta e construção de um Estado de Cabo Verde.

No dia em que também resolveu prestar um tributo à morna, Jorge Santos considerou Cabo Verde como um país aberto ao mundo, que promove valores da liberdade, da dignidade da pessoa humana e do diálogo civilizacional. “Se é verdade que os ganhos nos enchem de satisfação e orgulho, constituem também estímulos para continuar a empreender esforços para transformar Cabo Verde, a prazo, num país desenvolvido e promissor”, defendeu.

No seu discurso alusivo à data, Jorge Santos lembrou ainda que o país deve vencer desafios “inadiáveis” para reforçar o seu papel na sub-região africana e em todo o corredor do Atlântico Médio, enquanto plataforma de ligação entre a África, Europa e América.

Os eleitos municipais, na ilha do Sal, que estão hoje reunidos em sessão solene, dizem-se “orgulhosos” do percurso da nação cabo-verdiana nestes 44 anos de nação livre e independente. O ato não foi este ano testemunhado por um membro do governo cabo-verdiano, marcado também pela ausência do edil Júlio Lopes.

Entretanto, perante um Salão Nobre bem composto, o deputado independente, Luís Delgado, o primeiro a usar da palavra, disse, que sem “qualquer margem para dúvida”, é de se reconhecer que hoje o país está melhor, tendo registado “transformações radicais”, no sentido da modernização e progresso.

“O balanço de uma forma geral é sem dúvida positivo, mas poderia ter sido bem melhor se o desenvolvimento nacional fosse de forma mais equilibrada e repartida pelas diversas ilhas, ao menos, de acordo com a vocação de cada uma”, exteriorizou, defendendo a regionalização do país que permita uma “discriminação positiva” de cada ilha ou grupo de ilhas.

O vice-líder da bancada do PAICV (oposição), Adiel Monteiro, disse também que o percurso desta nação enche de orgulho. “Não só pelos ganhos alcançados, mas sobretudo pelas condições e recursos disponíveis na altura da conquista destes ganhos”, considerou, apontando, todavia, que é preciso que o país inicie uma “nova revolução”.

Ler mais
Relacionadas

Mike Pompeo felicita Cabo Verde

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, felicitou esta sexta-feira o governo de Cabo Verde e o seu povo pela celebração dos seus 44 anos de independência de Portugal.
Recomendadas

Isabel dos Santos diz que Angola vive em “instabilidade”

“Estão a viver-se momentos difíceis, não há dúvida. Estamos a viver momentos de grandes dúvidas e o que é fundamental e importante é que se respeite o Estado de Direito. É muito importante que se respeitem as leis, é muito importante que não haja atropelos entre os três poderes, que as pessoas tenham confiança na Justiça”, diz empresária angolana.

Isabel dos Santos diz que não usa dinheiro público angolano para investir

“Trabalho com bancos em Cabo Verde, com bancos em outros países africanos, bancos que nos apoiam, que acreditam nos projetos, que acreditam na validade dos projetos que nós propomos. Portanto, tenho muitas dívidas”, afirma a empresária angolana.

Capital da CV Telecom vai ser dispersado em 2020

O ministro das Finanças de Cabo Verde, Olavo Correia, anunciou esta sexta-feira na conferência da Lusa que em 2020 o capital da CV Telecom será dispersado em bolsa, através de convite a empresas estrangeiras.
Comentários