Cabo Verde celebra 44 anos de independência

Esta sexta-feira é feriado no país africano, para celebração da sua independência de Portugal, em 1975.

O presidente da Assembleia Nacional enalteceu os propósitos da independência nacional e prestou uma justa homenagem aos combates da liberdade da pátria pela sua participação na luta e construção de um Estado de Cabo Verde.

No dia em que também resolveu prestar um tributo à morna, Jorge Santos considerou Cabo Verde como um país aberto ao mundo, que promove valores da liberdade, da dignidade da pessoa humana e do diálogo civilizacional. “Se é verdade que os ganhos nos enchem de satisfação e orgulho, constituem também estímulos para continuar a empreender esforços para transformar Cabo Verde, a prazo, num país desenvolvido e promissor”, defendeu.

No seu discurso alusivo à data, Jorge Santos lembrou ainda que o país deve vencer desafios “inadiáveis” para reforçar o seu papel na sub-região africana e em todo o corredor do Atlântico Médio, enquanto plataforma de ligação entre a África, Europa e América.

Os eleitos municipais, na ilha do Sal, que estão hoje reunidos em sessão solene, dizem-se “orgulhosos” do percurso da nação cabo-verdiana nestes 44 anos de nação livre e independente. O ato não foi este ano testemunhado por um membro do governo cabo-verdiano, marcado também pela ausência do edil Júlio Lopes.

Entretanto, perante um Salão Nobre bem composto, o deputado independente, Luís Delgado, o primeiro a usar da palavra, disse, que sem “qualquer margem para dúvida”, é de se reconhecer que hoje o país está melhor, tendo registado “transformações radicais”, no sentido da modernização e progresso.

“O balanço de uma forma geral é sem dúvida positivo, mas poderia ter sido bem melhor se o desenvolvimento nacional fosse de forma mais equilibrada e repartida pelas diversas ilhas, ao menos, de acordo com a vocação de cada uma”, exteriorizou, defendendo a regionalização do país que permita uma “discriminação positiva” de cada ilha ou grupo de ilhas.

O vice-líder da bancada do PAICV (oposição), Adiel Monteiro, disse também que o percurso desta nação enche de orgulho. “Não só pelos ganhos alcançados, mas sobretudo pelas condições e recursos disponíveis na altura da conquista destes ganhos”, considerou, apontando, todavia, que é preciso que o país inicie uma “nova revolução”.

Ler mais
Relacionadas

Mike Pompeo felicita Cabo Verde

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, felicitou esta sexta-feira o governo de Cabo Verde e o seu povo pela celebração dos seus 44 anos de independência de Portugal.
Recomendadas

BICV e Ecobank emprestam 21 milhões de euros à Cabo Verde Airlines

Os representantes dos bancos, BICV e Ecobank, que vão assegurar este financiamento assumiram acreditar no projeto, classificando-o de “estratégico” para Cabo Verde.

Governo de Cabo Verde vai impedir interferência na aprovação do orçamento do banco central

Segundo o ministro das Finanças cabo-verdiano, os órgãos do Banco de Cabo Verde terão “todos os poderes para fazer a gestão da instituição e prestar contas às entidades externas nos termos que a lei dispõe”.

Ulisses Correia: “É preciso investir mais nas posturas municipais e na autonomia das famílias”

O primeiro-ministro de Cabo Verde disse afirma que toda a estratégia de desenvolvimento do país tem “necessariamente” de se basear em horizontes temporais de longo prazo para atingir objetivos com “consistência, perseverança e atitude empreendedora”.
Comentários