Catalunha: Extrema-direita espanhola pede que política atue “de uma vez por todas” na região

O secretário-geral do partido Vox (extrema direita) pediu hoje ao governo espanhol que autorize “de uma vez por todas” a polícia a atuar “como sabe” na Catalunha e, em consequência, use “todo o material antidistúrbios”.

Antes de participar numa manifestação da associação de polícias e guardas civis em Madrid, Javier Ortega Smith, o número dois do partido Vox, apelou também a uma intervenção das forças de intervenção da Guarda Civil, consideradas unidades militares de elite, para “irem em apoio” ao efetivo destacado para a Catalunha.

Para Javier Ortega Smith, “a responsabilidade do que acontece nestes momentos em Barcelona e nas ruas de outras cidades de Espanha” é do Governo.

“É urgente atuar contra os totalitários e terroristas” e “restaurar a ordem e a liberdade”, acrescentou, apelando a uma ação “com firmeza e profissionalismo” e com “todas as tropas necessárias” na Catalunha.

Na sexta-feira, dia em que a Catalunha cumpria um dia de greve geral para contestar a deliberação do Supremo Tribunal espanhol que condenou, na segunda-feira, os principais dirigentes políticos catalães – envolvidos na tentativa de independência daquela comunidade autónoma espanhola – a penas que vão até um máximo de 13 anos de prisão, cerca de 525.000 pessoas concentraram-se em Barcelona para participar numa manifestação que juntou várias “marchas pela liberdade”.

A cidade de Barcelona tornou-se, desde a noite de segunda-feira, cenário de confrontos entre polícias e manifestantes, que construíram barricadas, queimaram mobiliário urbano e pneus, fizeram fogueiras e atiraram pedras e petardos contra as autoridades.

Nos últimos dias, grupos de jovens independentistas têm enfrentado a polícia de forma violenta nas ruas do centro da cidade, provocando estragos em montras, esplanadas, contentores e automóveis, tendo o número de feridos nos protestos aumentado para 77, 52 das quais em Barcelona, segundo os últimos dados do Serviço de Emergência Médica.

O ministro do Interior em funções, Fernando Grande-Marlaska, anunciou ao final de sexta-feira que 207 agentes das forças de segurança ficaram feridos em distúrbios na Catalunha.

Ler mais
Recomendadas

Londres destrói um milhão de moedas comemorativas do Brexit

As moedas cunhadas para marcar o divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, que estava agendado para 31 de outubro, estão a ser derretidas porque Boris Johnson falhou o prazo. O custo da produção e destruição das moedas será suportado pelos contribuintes britânicos.

“Incorreto e inapropriado”. Assessor da Casa Branca critica telefonema de Trump ao homólogo ucraniano

Alexander Vindman, especialista sobre a Ucrânia do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, disse hoje que ficou “preocupado” enquanto tirava notas do telefonema entre Donald Trump e Zelensky, em 25 de julho – a chamada que está no centro do inquérito para a destituição do Presidente dos EUA, em que Trump é acusado de ter tentando pressionar o homólogo ucraniano a investigar Joe Biden, rival político do líder norte-americano.

E se o Ártico ficasse sem gelo? Pode acontecer em 2044

Tendo como base diversos fenómenos e os acontecimentos atuais, algumas previsões apontam que o mês de setembro em 2026 já não vai conseguir ter gelo, enquanto outras previsões apontam que o degelo total só deverá acontecer em 2132, a muitos anos de distância.
Comentários