Centeno confiante sobre a avaliação ao Orçamento: “Portugal tem batido todas as previsões de Bruxelas”

Comissão Europeia divulga esta quarta-feira a avaliação à proposta do Orçamento do Estado para 2020. Ministro das Finanças realça que “a realidade é que Portugal hoje é um país com um orçamento equilibrado, com um ajustamento estrutural inegável em todas as dimensões das contas públicas”.

Cristina Bernardo

O ministro das Finanças, Mário Centeno, mostrou-se confiante sobre a avaliação que a Comissão Europeia irá divulgar esta quarta-feira sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), realçando que o país tem apresentado um “ajustamento estrutural inegável”.

“Portugal tem feito sempre o seu trabalho, têm-lo feito com enorme distinção, batendo ano após ano todas as previsões de Bruxelas. Os modelos às vezes são assim, andam atrás da realidade”, disse Mário Centeno, em declarações aos jornalistas, à margem da conferência anual da Ordem dos Economistas sobre o Orçamento do Estado para 2020, em Lisboa.

Defendeu que “a realidade é que Portugal hoje é um país com um orçamento equilibrado, com um ajustamento estrutural inegável em todas as dimensões das contas públicas” e salientou esperar que a avaliação da Comissão Europeia “reconheça exatamente isso e sem nenhuma hesitação sobre o trajecto que temos que seguir”.

Relacionadas

Centeno responde aos sindicatos: “Quem jogou com os números, quem acabou por pagar foram os portugueses”

Depois do anúncio da greve geral da Fundação Pública marcada para dia 31, o ministro das Finanças disse que “a negociação está sempre aberta”, mas que existe “um reforço muito significativo” das despesas com pessoal na Administração Pública.
Recomendadas

Acionistas da Prisa aprovam venda da TVI à Cofina

Os acionistas da empresa dona da TVI deram luz verde à venda estação de televisão e outros ativos à companhia que detém o Correio da Manhã e a CMTV, entre outros.

IGCP emite 949 milhões de euros em operação de troca para alongar prazos da dívida até 2029

Na primeira operação de troca de dívida deste ano, a instituição presidida por Cristina Casalinho adiou em oito anos o reembolso de Obrigações do Tesouro que venciam em 2021.

Novo Banco pede falência de empresa de Moniz da Maia por dívida de 375 milhões de euros

No pedido de insolvência da empresa, o banco invoca dívidas no total de 16,5 milhões de euros respetivos a um crédito concedido diretamente à empresa de Bernardo Moniz da Maia em 2009 e 358,3 milhões de euros relativos a um contrato de financiamento celebrados entre o BES e a Sogema Investments Limited, segundo o JN.
Comentários