CFP: 16 municípios concentram 89% da dívida em atraso

Conselho de Finanças Públicas refere que a despesa por pagar dos municípios terá aumentado ligeiramente no ano passado.

Entre os 308 municípios portugueses, 16 concentravam 89% da dívida vencida e não paga há mais de 90 dias, em dezembro de 2018, segundo o Conselho de Finanças Públicas. No relatório “Execução Orçamental da Administração Local 2018”, a instituição liderada por Nazaré da Costa Cabral explica que a despesa por pagar dos municípios terá aumentado ligeiramente no ano passado.

Segundo o CFP são estes: Nazaré, Penafiel, Aveiro, Vila Real de Santo António, Paredes, Setúbal, Caminha, Ourique, Tábua, Tarouca, Peso da Régua, Tabuaço, Freixo de Espada à Cinta, Machico, Alpiarça e Mourão.

“A despesa por pagar dos municípios terá aumentado ligeiramente em 2018, com o aumento dos passivos não financeiros, apesar da diminuição das contas a pagar e dos pagamentos em atraso”, refere o CFP, que explica que “as contas a pagar constituem um subconjunto dos passivos não financeiros e correspondem à dívida vencida ou vincenda”, enquanto “os pagamentos em atraso são a parte desta dívida que está nessa situação há mais de 90 dias”.

Segundo a análise, em 2018, e excluindo dívidas de transferências para entidades das Administrações Públicas (AP), os passivos não financeiros dos municípios aumentaram 10 milhões de euros.

“Para esta evolução contribuíram sobretudo as aquisições de bens e serviços correntes, uma vez que os passivos referentes a despesas de investimento (aquisições de bens de capital na ótica da contabilidade pública) diminuíram em 2018. Ao invés, as contas a pagar registaram uma redução tanto da dívida decorrente da despesa de capital como da despesa corrente primária, resultando numa diminuição global de 50 milhões de euros em termos comparáveis”, refere o relatório.

Segundo o CFP, a parte da despesa por pagar já em atraso registou uma melhoria homóloga, mantendo a trajetória de redução inicia em 2012.

“Apesar de ter aumentado desde o início do ano de 2018 até agosto, o stock de pagamentos em atraso infletiu a trajetória no último quadrimestre do ano, registando uma diminuição de mais de 10% relativamente a 2017 (cerca de 10 milhões de euros)”, realça. “Para esta evolução contribuiu o recurso à assistência financeira do Fundo de Apoio Municipal (FAM) e a empréstimos de saneamento financeiro”.

Ler mais
Relacionadas

Municípios arrecadaram mais 216 milhões de euros de receita fiscal graças ao IMT

Receita fiscal da Administração Local em 2018 teve um crescimento em termos homólogos, explicado em cerca de quatro quintos pela maior receita decorrente do Imposto Municipal sobre Transações.

Dívida dos municípios recuou em 2018, mas 24 continuam acima do limite da dívida total

Dívida total municipal registou uma redução de 470 milhões de euros no ano passado. Número de municípios acima do limite da dívida total diminuiu face a 2017, mas Caminha, Cartaxo, Fornos de Algodres, Reguengos de Monsaraz, Tabuaço e Vila Real de Santo António agravaram a situação financeira.

Municípios aumentam despesa em 2018 e fazem cair excedente da Administração Local

Redução do excedente orçamental em 27 milhões de euros no ano passado deveu-se ao aumento da despesa de 266 milhões de euros que compara o crescimento de 239 milhões de euros da receita, explica o Conselho de Finanças Públicas.
Recomendadas

Preços de Transferência: Qual o papel dos prestadores de serviços na ajuda às multinacionais

Criação de valor com os preços de transferência está na ordem do dia. As empresas que querem vir a internacionalizar não podem descurar esta dinâmica. As consultoras estão atentas a esta matéria fiscal com o objetivo de obterem os melhores resultados para os clientes.

Marcelo não se pronuncia sobre crédito da Caixa a Isabel dos Santos

“Não comento casos específicos nesse domínio, como noutros”, disse Presidente da República, questionado sobre as notícias do empréstimo de 125 milhões de euros pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) a Isabel dos Santos, sem que a instituição tenha avaliado se a empresária tinha capacidade financeira para pagar.

“Quem não for votar, não diga que outros acabaram por fazer escolhas que não aquelas que queriam”, diz Marcelo

Presidente da República apelou à participação eleitoral este domingo e defendeu que “o voto é de cada qual e desperdiça-lo é verdadeiramente, em todos os momentos, mas agora em particular, um erro enorme”.
Comentários