Conselheira de segurança nacional despedida a pedido de Melania Trump

Um dia depois de Melania Trump ter emitido um comunicado, a número dois do Conselho de Segurança Nacional foi despedida. Só para o cargo que ocupava Mira Ricardel já passaram três pessoas diferentes.

Jonathan Ernst/REUTERS

Melania Trump, primeira-dama dos Estados Unidos, exigiu que Mira Ricardel, Conselheira de segurança nacional fosse demitida. Segundo o jornal britânico ”Independent”, a número dois do Conselho de Segurança Nacional já terá sido colocada noutro serviço 24h depois do pedido ter sido feito.

Analistas políticos foram apanhados de surpresa pelo comportamento da primeira dama dada quando esta emitiu um comunicado, divulgado na terça-feira, sobre o assunto que dizia  “Ela [Mira Ricardel] já não merece mais a honra de servir na Casa Branca”.

Mira Ricardel tinha sido escolhida pessoalmente pelo conselheiro de segurança nacional John Bolton, que terá tentado manter a sua adjunta sem sucesso. O cargo que a antiga conselheira vai ocupar ainda não é conhecido.

A administração Trump conseguiu, em dois anos de mandato, uma rotatividade ímpar dentro da Casa Branca. Só para o cargo que ocupava Mira Ricardel já teve três pessoas diferentes.

Relacionadas

Melania sobre #MeToo: vítimas têm de mostrar “provas evidentes”

A mulher de Donald Trump diz que apoia as vítimas de abusos sexuais, “não apenas as mulheres, mas também os homens”, mas defende serem necessárias “provas evidentes” para acusar alguém.

Presidente da CBS demite-se após novas acusações de abuso sexual

A renúncia surge na sequência de uma reportagem feita pelo jornal norte-americano “The New Yorker”, em que seis mulheres afirmaram ter sido vítimas do CEO da CBS.

Theresa May ligou a Trump mas o telefonema não terá corrido bem

A primeira-ministra britânica quis dar os parabéns ao presidente pela vitória do Partido Republicano nas eleições intercalares norte-americanas mas foi surpreendida com o temperamento de Donald Trump durante o telefonema. Apesar de não ser a primeira vez que existe tensão entre os dois líderes, os relatos do “Washington Post” dão conta de uma fúria presidencial pouco comum.
Recomendadas

António Costa diz que só “iluminação divina” justificaria renegociação do Brexit

“Renegociar o quê? Tudo aquilo que tenho visto como críticas, aliás contraditórias, ao tratado, são pontos que não é possível mais renegociar”, disse o primeiro-ministro.

Trump sobre a detenção de Michael Cohen: “Ele era advogado, é suposto saber a lei”

Trump desmente as declarações de Cohen e diz que o ex advogado assumiu culpa para “envergonhar o presidente e obter uma sentença de prisão muito reduzida”.

Angola produziu 1,521 milhões de barris de petróleo por dia em novembro

Angola enfrenta desde final de 2014 uma profunda crise económica, financeira e cambial decorrente da forte quebra nas receitas petrolíferas.
Comentários