Corum Investments chega esta quarta-feira a Lisboa para investir em imóveis comerciais

A Corum inaugura escritório em Lisboa nesta quarta-feira. A empresa francesa vai também ter em Portugal o departamento de IT para servir o grupo todo.

Cristina Bernardo

A Corum Investments inaugura o seu escritório em Lisboa nesta quarta feira. Em Portugal, os dois fundos disponibilizados pela sociedade gestora – o Corum Origin, com um preço de subscrição de 1.090 euros por acção, e o Corum XL, cujo preço de subscrição de uma ação é de 189 euros – já estão a ser distribuídos nos balcões do EuroBic, mas o seu responsável para Portugal, José Gavino admitiu fazer acordos com outros bancos. No futuro a distribuição será feita também online.

A empresa francesa vai também ter em Portugal o departamento de IT para servir o grupo todo.

A Corum Investments é uma sociedade gestora independente (não ligada a qualquer banco ou grupo bancário) criada em 2011, com sede em Paris e escritórios em Lisboa, Londres, Dublin, Amsterdão, Viena e Singapura e que gere activos avaliados em mais de três mil milhões de euros.

A Corum tem mais de trinta mil investidores em todo o mundo, subscritores dos seus dois fundos, o Corum Origin e o Corum XL.

Adquirir ações Corum Origin ou Corum XL é efetuar um investimento imobiliário.Logo, como qualquer investimento imobiliário, trata-se de um investimento a longo prazo cuja liquidez é limitada e com risco de perdas do capital investido. “Os rendimentos não são garantidos e dependem da evolução do mercado imobiliário e, no caso de Corum XL também da evolução das taxas de câmbio”, pelo que a empresa recomenda “um prazo de investimento mínimo de 8 anos para Corum Origin e de 10 anos para Corum XL!.

Em comunicado a empresa diz que os fundos da Corum Investments são ambos considerados Sociedades Civis de Investimento Imobiliário (SCPI), um instrumento de poupança muito comum entre os franceses. “Apareceram há quase meio século e têm hoje mais de um milhão de subscritores, sobretudo clientes particulares, pequenos aforadores que procuram soluções de poupança de longo prazo e com baixo risco. As SCPI gerem imóveis avaliados em 52 mil milhões de euros e só no ano passado conseguiram uma captação líquida de 5 mil milhões de euros. Só em França, existem 175 fundos ativos, geridos por 31 sociedades”, explica a Corum.

“A Corum Investments promove o investimento no longo prazo e a defesa dos seus investidores. Para tal, dispõe de uma equipa de profissionais multidisciplinares, cujo conhecimento dos mercados imobiliários, da prática do mundo empresarial e da economia real, permitem uma abordagem de investimento imobiliário pragmática, inovadora e independente dos consensos acordados”.

A Corum Investments compra imóveis comerciais para arrendar a empresas, fazendo a gestão interna dos edifícios e distribuindo os rendimentos pelos acionistas. Os imóveis adquiridos pelos fundos Corum estão dispersos por 15 países e são arrendados a empresas sólidas de diversos setores de atividade como a indústria, retalho, hotelaria ou saúde. A gestão dos imóveis e arrendatários é assegurada pela Corum.

Em Portugal a Corum adquiriu já nove imóveis comerciais (entre eles o edifício que do supermercado Pingo Doce em Vila Nova de Gaia).

Nos últimos três anos investiu em média entre 300 e 400 milhões de euros por ano em imóveis comerciais. “Os subscritores dos fundos Corum podem receber os dividendos do seu investimento mensalmente, obtendo assim um rendimento complementar, sendo de salientar que os objetivos de rentabilidade anuais estipulados para os fundos Corum têm sido excedidos consecutivamente”, diz a empresa.

“Ainda que existam metas de rendibilidade, como em qualquer investimento imobiliário, o capital não é garantido e o valor das ações e os respetivos rendimentos podem variar tanto positiva como negativamente”, ressalva a Corum.

O mercado imobiliário também tem flutuações de valor. “Embora os ciclos sejam mais longos e menos violentos do que, por exemplo, nos mercados financeiros, os mercados imobiliários também vivem crises e “explosões””, acrescenta a sociedade.

A estratégia da Corum Investments passa por saber investir, evitando os mercados “caros” na fase alta do ciclo, privilegiando mercados mais acessíveis que ofereçam rendimentos de arrendamento elevados. “A diversificação geográfica é também um dos pontos-chave da estratégia Corum, limitando assim os efeitos de uma crise num mercado imobiliário”, diz a sociedade em comunicado.

“A escolha dos arrendatários é um dos principais fatores de sucesso da Corum Investments que dá preferência a grandes e sólidas empresas com contratos de arrendamento longos”, adiantam.

A política de pagamento de um dividendo mensal e a possibilidade de reinvestimento dos dividendos, tal como a possibilidade de reforçar investimento de forma programada “são outras das características que distinguem a Corum Investments”.

Outra grande diferenciação da Corum é “a diversificação de atividades e de países em busca das melhores oportunidades de mercado, garantindo sempre a escolha de arrendatários de perfil sólido e cumpridor”.

 

Ler mais

Recomendadas

Preços das casas em oito bairros de Lisboa já ultrapassam os cinco mil euros por metro quadrado

Chiado, Avenida da Liberdade, Barata Salgueiro, Baixa, Glória, Picoas, Bairro Alto e o eixo S.Paulo/Boavista/Conde Barão são as oito zonas da capital com preços mais elevados. O preço médio de venda das casas é de 3.870 euros/m2.

Plataforma imobiliária já permitiu às famílias portuguesas poupar nove milhões de euros em apenas duas semanas

A Urbiwise possibilita aos seus utilizadores e de forma completamente gratuita avaliar os seus imóveis. Em somente duas semanas esta plataforma já registou mais de 60 mil avalições feitos por cidadãos portugueses.
jerónimo_de_sousa_cdu_pcp_pelislativas

PCP propõe mínimo de dez anos para os contratos de arrendamento de habitação

Deputados comunistas dizem que aumento da duração dos contratos é a solução para muitas famílias que “estão constantemente em mudanças e com a preocupação de encontrar novamente habitação”, no que consideram ser uma consequência das “injustiças” do Novo Regime de Arrendamento Urbano.
Comentários