Crescimento da economia da zona euro abranda no terceiro trimestre

Portugal viu o crescimento do PIB abrandar para os 2,1% em termos homólogos (2,4% no segundo trimestre) e 0,3% em cadeia (0,6%).

As economias da zona euro e da União Europeia (UE) viram o seu ritmo de crescimento abrandar, no terceiro trimestre, quer na comparação homóloga quer em cadeia, segundo uma estimativa esta quarta-feira divulgada pelo Eurostat.

Entre julho e setembro, o Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro aumentou 1,7% e o da UE 1,9%, face ao mesmo período de 2017, um abrandamento homólogo na comparação com o crescimento de 2,2% e 2,1%, respetivamente.

Segundo a estimativa do gabinete estatístico da UE, na variação em cadeia, o PIB avançou 0,2% na zona euro e 0,3% nos 28 Estados-membros, depois de ter subido 0,4% e 0,5%, respetivamente, entre abril de junho.

Portugal viu o crescimento do PIB abrandar para os 2,1% em termos homólogos (2,4% no segundo trimestre) e 0,3% em cadeia (0,6%).

Face ao terceiro trimestre de 2017 e entre os países para os quais há dados disponíveis, a Polónia (5,7%), Letónia (5,5%) e Hungria (5,0%) foram os que registaram maiores crescimentos económicos, tendo a Itália (0,8%), Alemanha (1,2%) França e Reino Unido (1,5% cada) apresentando os menores.

Na comparação com o segundo trimestre do ano, entre julho e setembro os PIB da Roménia (1,9%), Polónia (1,7%) e Hungria (1,2%) foram os que mais cresceram.

Em sentido oposto, a Lituânia (-0,4%) e Alemanha (-0,2%) viram as suas economias contraírem face ao trimestre anterior.

Ler mais
Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Marisa Matias diz que Bruxelas “está a preparar um assalto às pensões”

A eurodeputada acusa Bruxelas qde querer reduzir a Segurança Social “a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria”.

ONU diz ao governo italiano que decreto viola direitos dos migrantes

Os investigadores afirmam que o decreto parece ser mais uma tentativa política para criminalizar as operações de busca e salvamento” que “intensifica ainda mais o clima de hostilidade e xenofobia contra os migrantes”.
Comentários