Decisão sobre Infarmed é coerente e teve em conta vontade dos trabalhadores, realça ministro da Saúde

Para Campos Fernandes, a análise feita pelo grupo de trabalho sobre a manifestação da vontade dos trabalhadores, que não pretendiam mudar para o Porto, constitui uma “barreira” à deslocalização do Infarmed.

Tiago Petinga/Lusa

O ministro da Saúde considera que a decisão de suspender para já a deslocalização do Infarmed para o Porto “é coerente” com o que Governo tem afirmado e foi tomada tendo em conta a vontade dos trabalhadores da instituição.

Em resposta a críticas do CDS-PP, Adalberto Campos Fernandes disse hoje na comissão parlamentar de Saúde que “há uma decisão coerente com o que foi dito na altura” em que o Governo anunciou a deslocalização da sede da Autoridade do Medicamento de Lisboa para o Porto e quando nomeou a comissão para estudar os cenários e impactos dessa deslocalização.

O ministro entende que o contexto político mudou, uma vez que foi constituída uma comissão na Assembleia da República para avaliar questões da descentralização de serviços públicos e entende que a questão do Infarmed não deve ser extraída dessa comissão, apesar de no caso da Autoridade do Medicamento se tratar de uma deslocalização.

No final da audição na comissão parlamentar de Saúde de hoje, na qual fez o anúncio sobre o Infarmed em declarações à agência Lusa, Campos Fernandes reiterou que “sempre disse” que a decisão política de deslocalizar a sede da instituição estava subordinada a linhas vermelhas, sendo uma dessas linhas a vontade dos trabalhadores do Infarmed de mudarem.

Segundo o ministro, o Ministério da Saúde terminou este mês a análise ao relatório do grupo de trabalho criado para estudar os cenários da deslocalização do Infarmed e foi com base nesse relatório, em conjunto com o “atual contexto político”, que decidiu que a questão do Infarmed iria ser analisada para a comissão criada na Assembleia da República.

Para Campos Fernandes, a análise feita pelo grupo de trabalho sobre a manifestação da vontade dos trabalhadores, que não pretendiam mudar para o Porto, constitui uma “barreira” à deslocalização do Infarmed.

“É uma decisão tomada pelo ministro da Saúde tendo em conta o que resulta do relatório e tendo em conta o contexto político”, afirmou à agência Lusa.

Ler mais
Recomendadas

Respostas Rápidas: O que está em causa no parecer da PGR sobre a greve dos enfermeiros?

A PGR declarou ilícita a greve dos enfermeiros. Saiba quais as razões invocadas, o que está em causa e quais as reações dos sindicatos e da Ordem dos Enfermeiros.

Facção do CDS pede comissão de inquérito ao alegado favorecimento de Cristas no caso do Pavilhão Atlântico

A corrente de opinião interna do CDS considera que é “urgente” clarificar o papel de Assunção Cristas na venda do Pavilhão Atlântico ao consórcio do genro do antigo presidente da República Aníbal Cavaco Silva.

Cristas quer libertar país “das amarras do socialismo”, se possível já em 2019

O CDS, disse, quer “fazer parte de uma alternativa de centro direita”, com um ou mais partidos, dado que “o país precisa de se libertar das amarras do socialismo” e os últimos três anos e meio, com o Governo PS e o apoio da esquerda, foi “um parêntesis e um adiamento”, por se ter desaproveitado a “melhor conjuntura externa de que há memória”.
Comentários