Dez inspetores de automóveis detidos por corrupção e falsificação

Detenção ocorreu através da Divisão Policial de Loures, no âmbito de uma investigação policial que durou cerca de um ano, em que foi desenvolvida “uma ação operacional que incidiu principalmente sobre dois centros de inspeção automóvel situados na área de Lisboa”.

A Polícia de Segurança Pública (PSP) anunciou hoje a detenção, na quarta-feira, de oito homens e duas mulheres suspeitos de corrupção, falsificação e falsidade informática em dois centros de inspeção automóvel na área de Lisboa.

De acordo com o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, a detenção ocorreu através da Divisão Policial de Loures, no âmbito de uma investigação policial que durou cerca de um ano, em que foi desenvolvida “uma ação operacional que incidiu principalmente sobre dois centros de inspeção automóvel situados na área de Lisboa”.

Em declarações à agência Lusa, fonte policial disse que “os detidos foram corrompidos por mais de duas centenas de pessoas, das quais, mais de cem já estão identificadas”.

O objetivo foi “deter indivíduos suspeitos da prática de crimes de corrupção passiva para ato ilícito, falsificação praticada por funcionário e falsidade informática”, informou a PSP, em comunicado.

Assim, a ação policial resultou na detenção de “oito homens e duas mulheres, com idades compreendidas entre os 25 e 45 anos”, avançou fonte policial, indicando que foram ainda realizadas cinco buscas domiciliárias e 22 buscas não domiciliárias, em que foram apreendidos “cinco computadores, dez dispositivos de armazenamento de informação, 12 telemóveis, diversos documentos relacionados com este tipo de crime e 1.620 euros em numerário”.

“No decorrer da investigação recolheu-se prova suficientemente indiciadora de que os agora detidos, inspetores de automóveis, recebiam quantias monetárias no exercício das suas funções para aprovarem viaturas que não apresentavam as condições necessárias para circularem na via pública”, avançou a PSP, revelando que os suspeitos utilizavam, inclusivamente, um ‘software’ para adulterar os resultados das inspeções.

Em comunicado, a PSP referiu que a operação policial foi acompanhada e apoiada pela Autoridade Judiciária titular do inquérito e por uma equipa de fiscalização do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT).

Sem antecedentes criminais pelo mesmo tipo de crime, os detidos foram presentes no Tribunal Judicial da Comarca Lisboa Norte – Núcleo de Loures, onde lhes foram aplicadas as medidas de coação de “suspensão de funções, proibição de contacto com inspetores dos centros de inspeção e proibição de frequentar os centros de inspeção”.

Neste âmbito, a PSP assegurou que vai continuar a desenvolver esforços investigatórios e policiais para “garantir a imperativa segurança na circulação rodoviária de veículos e pessoas”.

Ler mais
Recomendadas

Respostas Rápidas: que crimes podem ser imputados ao ‘hacker’ Rui Pinto?

Rui Pinto será extraditado para Portugal entre 15 dias a um mês, ou seja, chegará a Portugal até meados de fevereiro.

Surpreendido em Budapeste: ‘hacker’ estava a ser vigiado pela polícia húngara há 15 dias

Rui Pinto foi detido em casa depois de estar a ser vigiado desde o início do ano após vigilância policial que foi desencadeada no início de 2019 e que estava a acompanhar todos os passos do ‘hacker’ português.

Exclusivo: ‘Hacker’ suspeito de roubo de e-mails ao Benfica foi detido em Budapeste

Ministério Público anunciou a detenção em Budapeste de um cidadão de 30 anos de idade através de um Mandado de Detenção Europeu. O Jornal Económico sabe que se trata de Rui Pinto, o ‘pirata’ informático suspeito de ter roubado e-mails ao Benfica.
Comentários