Estados Unidos querem entrar na CPLP

Esta informação foi dada à ONU News em Nova Iorque pelo secretário executivo do bloco lusófono, o embaixador português Francisco Ribeiro Telles.

Os Estados Unidos formalizaram uma solicitação de entrada na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), como membro associado.

Segundo a ‘newsletter’ digital da APLOP – Associação dos Portos de Língua Portuguesa, esta informação foi dada à ONU News em Nova Iorque pelo secretário executivo do bloco lusófono, o embaixador português Francisco Ribeiro Telles.

“O Departamento de Estado norte-americano diz que o pedido visa aproximar os EUA das diásporas lusófonas no seu território, que incluem principalmente brasileiros, cabo-verdianos e portugueses”, referiu Francisco Ribeiro Telles.

A CPLP tem sede em Lisboa e integra, além de Portugal, o Brasil, Cabo Verde, Angola, Moçambique, Angola, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Timor-Leste e Guiné Equatorial, este último país tendo gerado grande polémica.

Segundo a Wikipédia, Macau, atualmente um território de administração especial da República Popular da China, e a Galiza, uma comunidade autonómica de Espanha, têm interesse em aderir à CPLP, assim como outros 17 países no mundo.

Notícia atualizada às 21h09m

Ler mais
Recomendadas

Notre Dame: General diz para arquiteto “calar a boca”

Jean-Louis Georgelin gritou com Philippe Villeneuve, o arquiteto-chefe, devido à substituição da torre, que desabou no incêndio de abril. A discussão prende-se sobre se a torre deve ser substituída por uma réplica exata ou por uma alternativa mais moderna da mesma, como as projeções apontam.

‘Acqua Alta’. Veneza está a afogar-se

Depois de milhares de cidadãos e turistas terem ficado com a água pelos joelhos, muitos se perguntam o que vai acontecer depois das inundações

‘Impeachment’. Presidente da Câmara dos Representantes acusa Donald Trump de “suborno”

Os democratas que controlam a Câmara dos Deputados investigam se há mérito em processar Trump por abuso de poder, ao supostamente suspender ajuda militar à Ucrânia a troco de uma investigação ao candidato democrata Joe Biden num caso de corrupção. “O suborno é conceder ou reter assistência militar em troca de uma investigação falsa”, disse Pelosi.
Comentários