“Estímulo!”: Trump pede à Fed um grande corte nas taxas de juro

Reserva Federal norte-americana poderá anunciar esta quarta-feira novo corte na taxa de juros directora, depois da descida de 25 pontos base em julho. Presidente norte-americano aumenta a pressão sobre Powell.

A um dia do início da reunião da Reserva Federal norte-americana, Donald Trump voltou a pressionar o banco central para um corte nas taxas de juro. O presidente dos Estados Unidos não abranda nos recados a Jerome Powell e pede “um grande corte nos juro, estímulo!”.

“Os preços dos produtores na China diminuíram mais em três anos devido à grande desvalorização da moeda chinesa, juntamente com estímulos monetários. A Reserva Federal não está a ver? A Fed irá entrar no jogo? O dólar mais forte do que NUNCA! Muito mau para as exportações. Sem inflação… Maiores taxas de juros…”, escreveu o líder norte-americano numa publicação no Twitter.

“Os Estados Unidos, devido à Fed, estão a pagar uma taxa de juros MUITO mais alta do que outros países concorrentes. Eles não conseguem acreditar no quão sortudos são que Powell e a Fed não saibam. E agora, acima de tudo, o petróleo atingiu [um novo máximo]. Uma grande queda na taxa de juros, estímulo!”, acrescentou.

Nos últimos meses, Donald Trump tem manifestado publicamente desacordo com o rumo da política monetária conduzido pelo banco central norte-americano e pressionado o Federal Open Market Committee (FOMC) a cortes na taxa de juro directora. Na última reunião, em julho, a Fed cortou a taxa de juro diretora em 25 pontos base, para um intervalo de 2% a 2,25%. A descida da federal funds rate foi a primeira em mais de uma década (a última foi a 16 de dezembro de 2008), já que desde 2015, que o banco central prosseguia num processo de ‘normalização’ dessa política.

Com o mercado a antecipar o anúncio esta quarta-feira de um novo corte de 25 pontos base, o presidente norte-americano volta a pedir mais aos decisores da política monetária.

Trump elogia “rapidez” do BCE e aumenta pressão sobre a Reserva Federal

Ler mais

Relacionadas

Petróleo regista a maior subida desde a Guerra do Golfo em 1991 depois de ataques à Arábia Saudita

O preço do barril disparou mais de 19% no mercado, devido à redução da produção por parte do maior exportador mundial de petróleo.

Trump elogia “rapidez” do BCE e aumenta pressão sobre a Reserva Federal

O presidente norte-americano afirmou, no Twitter, que o BCE “agiu de forma rápida” ao cortar a taxa em 10 pontos base. “Eles estão a tentar, e a conseguir, depreciar o euro face a dólar MUITO forte, penalizando as exportações dos EUA… e a Fed continua sentada, e sentada e sentada”.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

Uma semana depois de o Banco Central Europeu ter anunciado o relançamento da compra líquida de ativos e o na taxa de juro de depósito, será a vez da Reserva Federal norte-americana, o Banco Central do Japão e o Banco de Inglaterra a anunciarem novas medidas.
Recomendadas

Emprego norte-americano dá ânimo a Wall Street

Em novembro, foram criados 266 mil novos postos de trabalho nos Estados Unidos, 47% acima das estimativas, que apontavam para a criação de 180 mil novos empregos. A taxa de desemprego caiu mais do que o era esperado, para os 3,5% – previsa-se que ficasse nos 3,6%, idêntica à taxa registada no mês de outubro.

Wall Street sem gás à espera de dados económicos

Um número que a ser alcançado não belisca a ideia bem estabelecida nos analistas de que é a força do mercado de trabalho que está a sustentar o crescimento económico.

China quer dominar reconhecimento facial

Os temas mais sensíveis entre os EUA e a China têm mais relação com supremacia tecnológica do que com tarifas. O objetivo é desenvolver e dominar o setor da Inteligência Artificial a nível global.
Comentários