PremiumFundo Apollo com quatro ofertas vinculativas para Tranquilidade e Açoreana

A operação de venda da Seguradoras Unidas está na reta da meta. A Ageas terá a melhor proposta, mas ainda não está escolhido o vencedor.

Há quatro propostas vinculativas para comprar a Seguradoras Unidas (que inclui a Tranquilidade e a Açoreana). A operação aproxima-se do desfecho, uma vez que o calendário indicativo prevê fechar um acordo de venda até ao fim de junho. Segundo as nossas fontes, as quatro propostas são da Ageas, da Mapfre, da Allianz e da Generali. Confrontada a Apollo e a Tranquilidade não comentaram.

O objetivo do fundo Apollo é ter um vendedor escolhido para um contrato de promessa de compra e venda até ao fim de junho.

As mesmas fontes revelam que a proposta da Ageas será a mais elevada em termos de preço, ultrapassando mesmo a da espanhola Mapfre, mas não foi possível confirmar esta informação. Segundo confidenciou uma fonte conhecedora do processo, o preço poderá não ser o único critério de escolha da Apollo Global Management, dona da Seguradoras Unidas, pois há também a celeridade da venda. Uma operação que enfrente mais entraves na Autoridade de Concorrência poderá ser preterida em favor de outra menos elevada financeiramente, mas em que não se avizinham grandes obstáculos no supervisor da Concorrência.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.

BdP: empréstimos às empresas cresceram em outubro

Já quanto aos empréstimos a particulares, o BdP diz ter registado uma variação de 6,9% em outubro, quando em setembro registara uma taxa de variação de 7,2%.

BCE mantém as exigências de capital ao BPI para 2020

Aí estão os requisitos de capital que o BCE impõe ao BPI para 2020 em função da qualidade do seu balanço. Estes requisitos implicam que o patamar mínimo de CET1 a partir do qual o Banco BPI teria restrições, em 2020, às distribuições de dividendos, é de 9.38%. O BPI tem um rácio de capital core de 12,7% a 30 de setembro deste ano.
Comentários