Governo aprova prospeção de petróleo em Aljezur

A APA – Agência Portuguesa do Ambiente dispensou o estudo de impacto ambiental deste furo de exploração ‘offshore’, atribuído ao consórcio Eni/Galp.

Ler mais

O Governo vai aprovar a prospeção de petróleo ao largo de Aljezur, na costa ocidental algarvia depois de hoje a APA – Agência Portuguesa do Ambiente ter dispensado de estudo de impacto ambiental este furo de exploração ‘offshore’.

Para as 18h30, está prevista uma conferência de imprensa conjunta liderada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Na conferência de imprensa estarão também presente João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente, e Jorge Seguro Sanches, secretário de Estado da Energia.

“O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, o Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, e o Secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, prestam declarações à imprensa, hoje, sobre a decisão da Agência Portuguesa do Ambiente quanto às condições de realização de um furo de pesquisa de petróleo no mar territorial português”, explica uma nota de agenda do Ministério do Ambiente.

Este furo foi licenciado pelo Estado português a um consórcio formados pelas petrolíferas Eni/Galp.

Hoje, dia 16 de maio, de manhã, a APA dispensou de estudo de impacto ambiental este furo petrolífero, uma decisão que foi comunicada numa conferência de imprensa.

“Não foram identificados impactos negativos significativos” na realização do furo de prospeção petrolífera, garantiu nessa ocasião, Nuno Lacasta, presidente da APA, citado pela Lusa.

Hoje era o último dia do prazo previsto para a APA se pronunciar sobre a necessidade de efetuar um estudo de impacto sobre esta exploração petrolífera.

As diversas licenças de exploração petrolífera em terra (‘onshore’) e no mar, ao largo  (‘offshore’) foram revogadas pelo atual Executivo, após forte contestação popular, de organizações ambientalistas, de alguns autarcas das regiões onde estavam previstas e dos partidos parlamentares de esquerda (PCP e Bloco de Esquerda) que apoiam o atual Executivo.

Uma controvérsia que deverá acentuar-se com esta aprovação de exploração petrolífera ao largo de Alzejur, em plena costa vicentina.

Relacionadas

E se houver petróleo no Alentejo? “Pode não ser bom negócio”, revela especialista

“Hoje há demasiado petróleo disponível, desde que os americanos começaram a explorar o ‘shale’ [oil] e os grandes produtores lutam hoje para colocar o seu produto”. especialista em geopolítica do petróleo revela ainda que “a dificuldade é hoje a quem entregar [vender]”.

Mais de mil pessoas protestam contra prospeção de petróleo em Aljezur e lembram derrames na Galiza e no Golfo do México

Mais de mil pessoas estão a manifestar-se hoje no centro de Lisboa contra a prospeção de petróleo perto de Aljezur, Algarve, alertando para os perigos de acidentes como os ocorridos na Galiza e no Golfo do México.

Eni e Galp estimam que haja petróleo no Alentejo equivalente a 17 anos de consumo nacional

Numa altura de grande contestação em relação à prospeção de petróleo no Alentejo, o consórcio Eni e Galp estima que as receitas potenciais possam chegar aos 57 mil milhões de euros. As ‘royalties’ para o Estado, em 30 anos, seriam de 4 mil milhões de euros.

Furo de pesquisa de petróleo ao largo de Aljezur avança entre setembro e outubro

“Data de início da perfuração está estimada entre o fim do terceiro trimestre e o início do quarto trimestre de 2018, a duração das atividades de perfuração está estimada em 46 dias (incluída a mobilização)”, anuncia a Agência Portuguesa do Ambiente
Recomendadas

Energias renováveis: Portugueses entre os que mais consomem energia ‘limpa’ na União Europeia

Portugal conquistou a medalha de bronze no pódio, sendo o terceiro país na União Europeia que maior percentagem das suas necessidades energéticas são satisfeitas com energias renováveis.

Vem aí um outono quente: temperaturas podem aproximar-se dos 40 graus

Évora, Setúbal, Santarém, Lisboa e Beja estão sob aviso amarelo para este fim-de-semana.

Incêndios: Vinte concelhos de sete distritos em risco máximo

Vinte concelhos dos distritos de Portalegre, Castelo Branco, Santarém, Leiria, Guarda, Bragança e Faro apresentam quinta-feira um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).
Comentários