Governo estará a planear novo reembolso antecipado ao FMI

Fonte oficial do ministério das Finanças explicou ao Dinheiro Vivo que “a solicitação de um novo pedido de autorização para reembolso antecipado do empréstimo ao FMI terá de ser equacionada conjuntamente com outras alternativas, no âmbito da gestão da dívida pública”.

O ministério das Finanças estará a ponderar pagar de forma antecipada o empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI) ainda este ano, segundo noticia o Dinheiro Vivo. Portugal ainda detém uma dívida de 4,7 mil milhões por pagar à instituição e o ministério liderado por Mário Centeno estará a “equacionar reembolso antecipado conjuntamente com outras alternativas”.

Fonte oficial do ministério explicou ao Dinheiro Vivo que “a solicitação de um novo pedido de autorização para reembolso antecipado do empréstimo ao FMI terá de ser equacionada conjuntamente com outras alternativas, no âmbito da gestão da dívida pública”.

Portugal é obrigado a pedir formalmente autorização aos credores oficiais para pagar antecipadamente ao  FMI, mas não deverá ter oposição já que não é a primeira vez. Os juros pagos por Portugal pelo empréstimo do FMI estão acima das atuais taxas praticadas no mercado, pelo que as Finanças e o Tesouro têm realizado reembolsos antes do prazo para diminuir o volume de dívida pública e poupar nos juros.

Relacionadas

Tesouro quer reembolsar restantes 4,5 mil milhões ao FMI antes do prazo

Numa audição parlamentar da Comissão do Orçamento, Finanças e Modernização, Cristina Casalinho garantiu pretender manter a estratégia atual de reembolsos antecipados ao FMI, que permitiu ao Estado poupar nos juros da dívida.

Cristina Casalinho: “Ainda há fragilidades na base de investidores na nossa dívida”

Numa audição parlamentar na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administração, a presidente do IGCP afirmou que estão criadas as condições de mercado para alongar a maturidade da dívida pública, mas sublinhou que ainda há fragilidades.

Pela primeira vez desde 2012, ‘troika’ já não é o maior credor de Portugal

A maior parte da dívida portuguesa continua em mãos estrangeiras, mas neste grupo, os restantes credores já têm uma proporção maior do que as instituições que financiaram Portugal durante o programa de ajuda externa.
Recomendadas

Governo anuncia que Programa Interface garante mais 33 milhões de euros de incentivo

“Vão ser assinados os contratos de financiamento, no valor de 33 milhões de euros, a entidades reconhecidas pelo Ministério da Economia, no âmbito do Programa Interface”, anunciou hoje o Governo, através de comunicado.

Professores fazem ultimato ao Governo e ameaçam bloquear ano letivo

Mário Nogueira disse que as medidas podem vir a bloquear o ano letivo e estão já a ser discutidas pelos sindicatos, que estão a recolher sugestões dos professores, mas recusou especificar.

Primeiro-ministro belga anuncia demissão

“Decido portanto apresentar a minha demissão e a minha intenção é deslocar-me ao rei imediatamente”, declarou, depois de um debate na Câmara dos Deputados, sob a ameaça de uma moção de censura apresentada pela esquerda parlamentar.
Comentários