Governo proíbe queimadas até terça-feira

O Governo assinou esta sexta-feira um despacho que proíbe a realização de queimadas e de queimas de sobrantes de exploração entre sábado e terça-feira, nos distritos de Beja, Bragança, Castelo Branco, Évora, Faro, Guarda, Lisboa, Portalegre, Santarém e Setúbal.

Miguel A. Lopes/Lusa

O Governo assinou esta sexta-feira um despacho que proíbe a realização de queimadas e de queimas de sobrantes de exploração entre sábado e terça-feira, nos distritos de Beja, Bragança, Castelo Branco, Évora, Faro, Guarda, Lisboa, Portalegre, Santarém e Setúbal.

Esta decisão conjunta do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e do secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, surge na sequência das previsões meteorológicas que dão para o continente temperaturas superiores a 30º a partir de sábado e elevado risco de incêndio.

Numa nota, o Governo destaca que esta decisão resulta das informações do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) sobre o agravamento do risco de incêndio para a globalidade do território do continente.

Decorre ainda do aviso à população da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANPC) sobre o perigo de incêndio rural, do comunicado técnico-operacional da ANPC que determina a passagem ao Estado de Alerta Especial Amarelo do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais nos distritos de Beja, Évora e Faro.

“Do comunicado técnico-operacional da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil que determina a passagem ao Estado de Alerta Especial Azul, que passará a ‘Amarelo’ às 00:01 de domingo, do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais nos distritos de Bragança, Castelo Branco, Guarda, Lisboa, Portalegre, Santarém e Setúbal”, adianta a mesma nota.

 

Ler mais
Recomendadas

Emissões do gás CFC-11 aumentaram e estão a afetar camada de ozono. Cientistas culpam China

Uma equipa internacional de cientistas anunciou que as misteriosas emissões de CFC-11 – um gás que danifica a camada de ozono – aumentaram cerca de 7 mil toneladas por ano desde 2012. Cientistas remetem a origem destas emissões para duas províncias na China.

Ministro do Ambiente considera que luta dos estudantes é “a mais justa”

João Pedro Matos Fernandes assegurou que ouve as mensagens dos manifestantes, mesmo quando estes querem ir mais depressa do que o Governo está disposto a ir. Há novo protesto pelo clima na próxima sexta-feira.

Portugal está “a viver de água que não tem”

A Associação Natureza Portugal, que representa a WWF, no país, alerta para má gestão e desperdício no consumo de água em Portugal, e faz recomendações a políticos, empresas e cidadãos, para inverter a situação
Comentários