Governo proíbe queimadas até terça-feira

O Governo assinou esta sexta-feira um despacho que proíbe a realização de queimadas e de queimas de sobrantes de exploração entre sábado e terça-feira, nos distritos de Beja, Bragança, Castelo Branco, Évora, Faro, Guarda, Lisboa, Portalegre, Santarém e Setúbal.

Miguel A. Lopes/Lusa

O Governo assinou esta sexta-feira um despacho que proíbe a realização de queimadas e de queimas de sobrantes de exploração entre sábado e terça-feira, nos distritos de Beja, Bragança, Castelo Branco, Évora, Faro, Guarda, Lisboa, Portalegre, Santarém e Setúbal.

Esta decisão conjunta do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e do secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, surge na sequência das previsões meteorológicas que dão para o continente temperaturas superiores a 30º a partir de sábado e elevado risco de incêndio.

Numa nota, o Governo destaca que esta decisão resulta das informações do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) sobre o agravamento do risco de incêndio para a globalidade do território do continente.

Decorre ainda do aviso à população da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANPC) sobre o perigo de incêndio rural, do comunicado técnico-operacional da ANPC que determina a passagem ao Estado de Alerta Especial Amarelo do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais nos distritos de Beja, Évora e Faro.

“Do comunicado técnico-operacional da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil que determina a passagem ao Estado de Alerta Especial Azul, que passará a ‘Amarelo’ às 00:01 de domingo, do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais nos distritos de Bragança, Castelo Branco, Guarda, Lisboa, Portalegre, Santarém e Setúbal”, adianta a mesma nota.

 

Ler mais
Recomendadas

Temperaturas sobem hoje mas chuva regressa no fim de semana

Instituto Português do Mar e Atmosfera coloca esta sexta-feira em risco máximo de incêndio 18 concelhos do país.

Ilhas do Pacífico sem consenso nas medidas contra alterações climáticas devido à Austrália

Os líderes das 18 nações do Pacífico não chegaram a um acordo sobre a Declaração de Tuvalu, que havia sido produzida pelas nações de menor dimensão da região, tendo sido emitida a Declaração de Kaikani II, um texto que diminuiu o tom e os compromissos em relação ao fenómeno global das alterações climáticas.

Governo disponibiliza 600 mil euros para apoiar agricultores de Mação, Vila de Rei e Sertã

Esta decisão decorre da publicação, hoje, em Diário da República, de um despacho que reconhece este incêndio como “catástrofe natural”.
Comentários