Governo propõe investir 4,7 milhões de contos na gestão dos resíduos

O Governo vai investir 4,7 milhões de contos na construção e requalificação de infraestruturas de tratamento e valorização dos resíduos, encerramento e relocalização das lixeiras municipais e apoiar os municípios na gestão das mesmas.

A informação foi avançada esta quinta-feira, 9, pelo administrador executivo da Agência Nacional de Água e Saneamento (ANAS), Inácio Pereira, durante uma conferência de imprensa na Cidade da Praia onde abordou a questão do tratamento e gestão de resíduos no período das chuvas, tendo sublinhado que este investimento está inserido no Plano Estratégico para o Desenvolvimento Sustentável (PEDS) para o horizonte 2016-2021.

Conforme explicou, dos 4,7 milhões de contos, 160 mil contos são para apoiar projectos dos municípios a nível de gestão de resíduos, 300 mil para o encerramento, relocalização e requalificação das lixeiras municipais na ilha de Santiago e 4,2 milhões de contos para construção e requalificação de infraestruturas de tratamento e valorização dos resíduos.

“Os recursos para implementar estes investimentos serão mobilizados a partir de fontes internas e junto dos nossos principais parceiros de desenvolvimento”, disse Inácio Pereira realçando que a ANAS tem vindo a implementar um conjunto de acções que visam melhorar a gestão dos resíduos e as condições de saneamento que contribuam para a protecção do ambiente e melhoria das condições de vida das populações.

Com o aproximar da época das chuvas, e pela necessidade de se implementar medidas de prevenção, o administrador executivo da ANAS avançou que a instituição tem vindo a estimular os municípios a implementarem acções que passam por limpeza ou eliminação dos pontos de deposição ilegal de resíduos, desobstrução de valas e ribeiras e eliminação de pardieiros, caso for necessário.

Disse, por outro lado, que os cidadãos têm um papel crucial na prevenção de doenças ligadas à “má gestão dos lixos”, e exortou-os no sentido de manterem limpas as ruas e bairros, e a aderirem à campanha de limpeza nos respectivos municípios, colocando o lixo nos lugares apropriados.

Na ocasião, Inácio Pereira informou que o Aterro sanitário de Santiago irá cobrir uma área de 11 hectares, com capacidade para 190 mil toneladas de resíduos por ano e que entrará em funcionamento dentro de pouco meses, estando à espera da resolução de alguns problemas administrativos e de aquisição de alguns equipamentos, entre os quais um camião autotanque e dois camiões basculantes.

“Estamos a envidar esforços para que o Aterro Sanitário de Santiago entre em funcionamento o mais breve possível”, garantiu Inácio Pereira explicando que a ANAS vai investir 300 mil contos no encerramento das leixarias existentes na ilha de Santiago.



PUB
PUB
PUB