Governo quer a dívida a cair para 122,2% em 2018

Para o último ano da legislatura, 2019, o Governo aponta para uma dívida de 118,4% do PIB, a que se seguem 114,9% no ano seguinte, 107,3% em 2021 e 102% no último ano que da estimativa do programa.

Ler mais

O Governo reviu em baixa as projeções para o peso da dívida pública no Produto Interno Bruto (PIB), no Programa de Estabilidade 2018-2022, que foi apresentado esta sexta-feira. A estimativa é que o rácio caia para 122,2%, o que representa menos 2 pontos percentuais face à previsão inscrita no Orçamento do Estado (OE) e compara com os 125,7% de 2017.

Para o último ano da legislatura, 2019, o Governo aponta para uma dívida de 118,4%, a que se seguem 114,9% do PIB no ano seguinte, 107,3% em 2021 e 102% no último ano que da estimativa do programa.

“Esta trajetória, sustentada e equilibrada, alia a manutenção dos níveis de investimento público de qualidade com a necessidade de diminuir os níveis de endividamento, fator essencial para garantir o financiamento presente e futuro da economia nacional”, refere o Programa de Estabilidade.

O Executivo liderado por António Costa explica que a redução é, essencialmente, conseguida através do efeito do saldo primário (resultado das contas públicas excluindo os juros), “que se afigura crescente ao longo do período de projeção”.

“O efeito dinâmico, composto pelos efeitos conjugados dos juros e do crescimento do PIB nominal, contribui igualmente para a diminuição da dívida ao longo de todo o horizonte de projeção, o que significa que o crescimento da economia portuguesa permite compensar o impacto negativo, embora decrescente, dos encargos com juros”, acrescenta.

A estimativa do Governo é que a poupança com juros da dívida seja de mais 385,4 milhões euros em 2018, face ao ano anterior. Nos dois anos seguintes ainda espera uma poupança, mesmo que menor em 2020 e nos dois anos seguintes, os custos deverão voltam a aumentar.

Os ajustamentos entre défice e dívida (stock-flow) têm contributos diferenciados ao longo do período. Em 2020, prevê-se uma acumulação de depósitos superior às necessidades brutas de financiamento devido às amortizações de 2021, de 19 mil milhões de euros.

Relacionadas

Conselho das Finanças Públicas diz que previsões para 2018 afiguram-se como “prováveis”

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) considerou hoje que as previsões do Governo para 2018, atualizadas no Programa de Estabilidade, afiguram-se como “prováveis”.

Finanças identificam investimento como principal fator de crescimento da economia

No Programa de Estabilidade, apresentado esta sexta-feira, prevê-se que o passo de evolução da formação bruta de capital fixo desacelere em 2,9 pontos percentuais este ano, face a 2017, para 6,2%, ainda assim uma taxa de crescimento que quase triplica o ritmo de expansão antecipado para o PIB, de 2,3%.

Governo tem de ser “cauteloso” e pesar todas as medidas, diz Centeno

O ministro das Finanças diz que após o brilharete na consolidação orçamental em 2017, o Governo vai continuar a reduzir o défice público mas tem de ter cuidado pois não controla todos os elementos, incluindo as projeções para as poupanças nos pagamentos de juros.
Recomendadas

China chama embaixador dos EUA após sanções impostas contra o Exército

Em causa estão a sanções impostas pelo Governo norte-americano ao Equipment Development Department (EDD), responsável pelas armas e equipamentos do exército chinês, e ao seu diretor, Li Shangfu, por ter comprado armamento à empresa Rosoboronexport, exportadora russa de armamento, que já havia sido sancionada por Washington.

Marcas ocidentais perdem terreno nas preferências dos consumidores chineses

Enquanto a Apple, IKEA, Nike ou BMW perdem popularidade, marcas chinesas como a Alipay, Huawei ou Taobao sobem no índice de preferência dos consumidores.

Preços da eletricidade e gás em Espanha e Portugal são dos mais caros da União Europeia

No segundo semestre de 2017, a Espanha foi o sexto país da União Europeia com eletricidade mais cara (Portugal foi o quinto), segundo dados compilados pelo Eurostat. No topo desta tabela destacam-se a Alemanha, a Dinamarca e a Bélgica.
Comentários