Grupo ISQ expande atividade para a Ásia

Segundo Pedro Matias, presidente do ISQ, “há vários investimentos a serem desenvolvidos no Cazaquistão em áreas como Infra-estruturas, Pipelines, Oil&Gas, Refinarias, Redes de Energia, Energias Renováveis, Mineração, Indústrias de Processo, etc., e o ISQ pode colocar as suas competências ao serviço destas indústrias”.

O Grupo ISQ anunciou hoje a abertura de uma delegação no Cazaquistão no âmbito do seu processo de internacionalização, de acordo com comunicado da empresa.

Segundo Pedro Matias, presidente do ISQ, “há vários investimentos a serem desenvolvidos no Cazaquistão em áreas como Infra-estruturas, Pipelines, Oil&Gas, Refinarias, Redes de Energia, Energias Renováveis, Mineração, Indústrias de Processo, etc., e o ISQ pode colocar as suas competências ao serviço destas indústrias”.

O ISQ é, já hoje, uma empresa global que já opera em mais de 20 geografias e para grandes multinacionais, “temos 1400 colaboradores, 800 em Portugal e 600 espalhados por todo o Mundo. O que fazemos em Portugal e no Mundo e que é reconhecido como de excelência podemos fazer também no Cazaquistão e mesmo na região da Eurásia”, complementa Pedro Matias.

Recomendadas

BES. Solução para sucursais exteriores pode abranger cerca de 300 pessoas

Em declarações à Lusa, António Borges, presidente da direção da entidade, congratulou-se por, “finalmente, o Governo ter enquadrado os restantes lesados numa solução”, depois de um comunicado do gabinete do primeiro-ministro ter revelado que o Governo propôs às associações de lesados das sucursais exteriores do BES uma solução semelhante à do Banif, que prevê a delimitação de lesados não qualificados com vista à criação de fundo de recuperação.

Programa de aceleração de ‘startups’ de restauração anuncia hoje os dois projetos vencedores

É a primeira edição do novo programa de aceleração da responsabilidade da Startup Lisboa, que contou com a participação de 22 concorrentes, no segmento ‘tech’ e não ‘tech’.

BPI vai sair de bolsa a 1,47 euros, dois cêntimos acima da proposta do CaixaBank

CaixaBank vai pagar 1,47 euros por cada ação aos acionistas do BPI. Nos próximos três meses haverá uma ordem permanente de compra, permitindo aos acionistas do BPI venderem as suas ações ao grupo bancário espanhol.
Comentários