Joana Marques Vidal deverá continuar na PGR

O semanário “Expresso” revela que falta apenas ouvir os partidos com assento parlamentar. António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa já terão combinado a data e a forma de anunciar a recondução.

Cristina Bernardo

É quase certa a recondução de Joana Marques Vidal na Procuradoria-Geral da República (PGR), falta apenas ouvir o que têm a dizer os partidos com assento parlamentar, segundo a notícia avançada este sábado pelo “Expresso”.

Ao que o semanário apurou junto de fontes ligadas ao processo, a confirmação de que a procuradora se mantém à frente do Ministério Público “está na calha” – de acordo com a expressão utilizada pelos porta-vozes – mas só se tornará pública, pelo menos, depois de António Costa regressar da visita oficial a Angola.

Em causa está o facto de Joana Marques Vidal estar associada à PGR e ao processo relativo a Manuel Vicente, contestado pelo governo de Luanda. No entanto, após a ministra da Justiça falar com os partidos e o primeiro ministro voltar deverá saber-se se a atual procuradora se mantém no cargo. O jornal refere que António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa até já combinaram a data e a forma de anunciar a sua recondução.

Recomendadas

Justiça cabo-verdiana arquiva denúncia-crime do maior partido da oposição

A Procuradoria-Geral da República anunciou esta quinta-feira o arquivamento da denúncia-crime apresentada pelo maior partido da oposição (PAICV) contra a Câmara Municipal da Praia, que alegava “indícios de gestão danosa e irregularidades” na construção de um mercado.

João Massano candidata-se a presidente do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados

O advogado vai apoiar e integrar a candidatura de António Jaime Martins a bastonário. “A valorização do advogado, individualmente, e da advocacia, no seu todo, promove-se através da formação e da partilha de experiências multidisciplinares, que trazem à classe uma atualização dos temas e das questões legais que estão na ordem do dia”, defende.

‘Hacker’ Rui Pinto recusa colaborar com justiça portuguesa

As autoridades portuguesas não estão a conseguir convencer o pirata informático a colaborar no processo em que é suspeito de tentativa de extorsão de meio milhão de euros contra o fundo Doyen Sports e na exploração de material informático apreendido.
Comentários