José Sócrates: “Ao longo dos meus seis anos de mandato nunca houve um ato concreto de corrupção”

Em entrevista à “TVI”, o antigo primeiro ministro considera que o juiz Ivo Rosa “não fez mais que o seu dever” ao anular os crimes de corrupção pelos quais José Sócrates era acusado.

José Sócrates referiu que as decisões tomadas pelo juiz Ivo Rosa na Operação Marquês mostraram que durante o seu percurso enquanto primeiro-ministro nunca cometeu qualquer tipo de corrupção. “Deixou de existir o crime de corrupção sem ato, nem sabia que isso existia, porque sempre achei que a corrupção exigia um ato. O que o juiz diz é que ao longo dos meus seis anos de mandato nunca houve um ato concreto de corrupção”, afirmou esta noite em entrevista à “TVI”.

O antigo primeiro-ministro salientou que em relação ao crime de corrupção por simpatia ou mercadejar “é absolutamente falso e injusto para comigo e para o engenheiro Carlos Santos Silva. Nunca pratiquei nenhum acordo com o engenheiro Carlos Santos Silva relativamente a um comportamento menos honesto”.

José Sócrates frisou que não nutre nenhuma simpatia e antipatia por Ivo Rosa, sendo que apenas o vê como o juiz escolhido “segundo as regras da lei, coisa que não aconteceu com o juiz Carlos Alexandre. As decisões que ele [Ivo Rosa] tomou relativamente às mentiras sobre mim, não fez mais que o seu dever”, realçou.

Para o antigo primeiro-ministro, o juiz Ivo Rosa decidiu deitar abaixo todas as acusações porque não tinha outra hipótese de o fazer. “As acusações eram estapafúrdias”, sublinhou.

O ex-primeiro ministro José Sócrates vai ser pronunciado por três crimes de branqueamento de capitais e um de falsificação de documentos e terão de ir a julgamento.

Um dos crimes diz respeito à utilização das contas bancárias junto do Montepio Geral da arguida Inês do Rosário (mulher de Santos Silva); um refere-se ao uso das contas bancárias do arguido João Perna (motorista) e um é de lavagem de 163.402,50 euros entre 2012-2014.

O crime de falsificação documental deve-se à produção do uso de documentação referente ao arrendamento do apartamento de Paris, aos contratos de prestação de serviços entre a RMF Consulting e Domingos Farinho e aos contratos entre a RMF e António Manuel Peixoto.

Ler mais
Relacionadas

De Costa a Portas: como o país político reagiu à decisão instrutória da Operação Marquês

Da esquerda à direita, o país político reagiu à decisão da instrução sobre a Operação Marquês e que fez cair todos os crimes de corrupção apontados ao ex-primeiro-ministro José Sócrates.

Sócrates diz que “Operação Marquês” foi “marco importante” na afirmação da extrema-direita

Num artigo de opinião publicado no jornal “Público” esta segunda-feira, o ex-chefe de Governo diz que a “Operação Marquês” “nunca foi um processo judicial, mas um processo político”. Acusa o juiz Ivo Rosa de alterar os factos “sem comunicar aos visados” e pronunciá-lo por um crime de que “nunca” esteve acusado.

Sócrates acusa PS de “traição” ao “remover” da história “o único líder que teve maioria absoluta”

No livro “Só Agora Começou” que será lançado nos próximos dias, o ex-chefe de Governo acusa os socialistas de decidiram que “o único líder que teve uma maioria absoluta deveria ser removido da história”. A par disso, diz que foi alvo de uma “vingança” da direita, que procurou afastá-lo da vida política. “Nunca esperei que esta me atacasse tão injustamente”, refere.
Recomendadas

Ministra da Saúde diz que abril foi “um dos meses mais produtivos” na retoma do SNS

A ministra avançou que “o mês de abril terá sido um dos meses mais produtivos do SNS, tendo conseguido ultrapassar mais de dois milhões e meio de consultas a mais nos cuidados de saúde primários, mais de 400 mil consultas a mais na área hospitalar e mais de 32 mil cirurgias a mais na atividade hospitalar”.

Governo dá mais 11 milhões ao Garantir Cultura para projetos não empresariais

O anúncio dos serviços do Ministério da Cultura dá igualmente conta de que o programa Garantir Cultura, destinado ao tecido empresarial, com uma dotação orçamental de 30 milhões de euros, provenientes de fundos comunitários, recebeu 718 candidaturas.

Líder comunista duvida que “bazuca dos milhões” dê resposta aos problemas do país

Num comício na Praça 08 de maio, no coração da cidade de Coimbra, na apresentação dos candidatos do partido à Câmara e Assembleia Municipal, o dirigente comunista falou de um país que “andou para trás”, num período de pandemia em que “se avolumam problemas de dimensão económica e social”.
Comentários