Lisboetas dispostos a pagar mais de 160 mil euros para comprar casa

Estudo do Observatório do Mercado de Habitação em Portugal da Century21 indica que o valor médio disponível para a compra de casa, a nível nacional, é de 138 mil euros, enquanto o preço médio das habitações para venda se situa nos 173 mil euros. Cerca de 90% dos portugueses continua a preferir a compra de casa própria (e morar numa zona segura).

Ler mais

Os cidadãos portugueses estão dispostos a pagar pela sua casa ideal um valor médio de 138 mil euros e até 500 euros por mês pela renda ou financiados por um crédito habitação. Só 9,6% dos portugueses pensa pagar entre os 500 e os 600 euros. Esta é a principal conclusão do estudo do “Observatório do Mercado de Habitação em Portugal” da Century 21, divulgado esta sexta-feira.

No sentido oposto, o preço médio das habitações para venda em Portugal situa-se nos 173 mil euros, cerca 34 mil euros acima do valor que os portugueses estão dispostos a pagar para a compra de casa.

Cerca de 90% dos portugueses continua a preferir a compra de casa própria, sendo que 75% optam por adquiri-la na cidade onde residem atualmente, conclui ainda a análise da imobiliária.

Mais de 90% dos portugueses quer morar numa zona segura

A habitação mais requisitada é o apartamento num prédio (61%), em segunda mão e sem necessitar de remodelações (60,2), com três quartos (40,9%) e duas casas de banho (49,5%), com arrecadação (74,1%) e garagem (73,1%), com uma área entre 91 e 120 m2, (24,1%) localizada em zonas periféricas do centro (43%) ou mesmo nas áreas centrais da cidade (42,2%), desde que tenha disponibilidade de estacionamento (82,6%), boas acessibilidades e transportes públicos (80,5%), e proximidade a supermercados e comércio tradicional (80,1%), numa zona segura (94,5%).

Contudo, existem características específicas na casa ideal dos portugueses, que mudam consoante as zonas do país, com destaque para Lisboa, Porto e Algarve. Para quem vive na capital portuguesa, o preço médio que os lisboetas estão dispostos a pagar é de 166 mil euros, financiados por um crédito à habitação de cerca de 506 euros mensais.

Na ‘Cidade Invicta’, os valores baixam, com os portuenses a considerar pagarem até 137 mil euros, sendo financiados por um crédito à habitação até 491 euros por mês (menos 29 mil euros do que em Lisboa). Por fim, no Algarve os números baixam ainda mais, com os algarvios a pagarem 130 mil euros e a serem financiados por um crédito à habitação de 475 euros mensais.

Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal sublinha que “as necessidades de soluções habitacionais são diferentes, consoante a zona do país, em diversos critérios. Porém, a análise a nível nacional revela desequilíbrios muito significativos entre a oferta e procura de habitação”.

Recomendadas

Desemprego em agosto cai 19% face ao mês homólogo de 2017

Tendência anual de um aumento ligeiro do desemprego no mês de agosto face ao mês de julho regista-se novamente, com um aumento de 2,3% em agosto face ao mês anterior.

“Aqueles que reinam no céu também devem ser responsáveis no solo”. Bruxelas desafia Ryanair

“A Ryanair diz-nos que tem o seu modelo de negócios ‘low cost’ (baixo custo). Muito bem, respeitamos. Mas vemos que outras companhias ‘low cost’ na UE trabalham com contratos locais, por isso a minha questão à Ryanair é: «do que é que estão à espera?»”, realçou a comissária europeia responsável pelo Emprego.

Lei ‘Uber’: PCP vai propor revogação da lei

“Consideramos que já muito mal foi feito, mas ainda vamos a tempo de evitar o agravamento de problemas e a situação gravíssima que está em perspetiva para aquele setor”, anunciou o deputado Bruno Dias.
Comentários