Lisboetas dispostos a pagar mais de 160 mil euros para comprar casa

Estudo do Observatório do Mercado de Habitação em Portugal da Century21 indica que o valor médio disponível para a compra de casa, a nível nacional, é de 138 mil euros, enquanto o preço médio das habitações para venda se situa nos 173 mil euros. Cerca de 90% dos portugueses continua a preferir a compra de casa própria (e morar numa zona segura).

Os cidadãos portugueses estão dispostos a pagar pela sua casa ideal um valor médio de 138 mil euros e até 500 euros por mês pela renda ou financiados por um crédito habitação. Só 9,6% dos portugueses pensa pagar entre os 500 e os 600 euros. Esta é a principal conclusão do estudo do “Observatório do Mercado de Habitação em Portugal” da Century 21, divulgado esta sexta-feira.

No sentido oposto, o preço médio das habitações para venda em Portugal situa-se nos 173 mil euros, cerca 34 mil euros acima do valor que os portugueses estão dispostos a pagar para a compra de casa.

Cerca de 90% dos portugueses continua a preferir a compra de casa própria, sendo que 75% optam por adquiri-la na cidade onde residem atualmente, conclui ainda a análise da imobiliária.

Mais de 90% dos portugueses quer morar numa zona segura

A habitação mais requisitada é o apartamento num prédio (61%), em segunda mão e sem necessitar de remodelações (60,2), com três quartos (40,9%) e duas casas de banho (49,5%), com arrecadação (74,1%) e garagem (73,1%), com uma área entre 91 e 120 m2, (24,1%) localizada em zonas periféricas do centro (43%) ou mesmo nas áreas centrais da cidade (42,2%), desde que tenha disponibilidade de estacionamento (82,6%), boas acessibilidades e transportes públicos (80,5%), e proximidade a supermercados e comércio tradicional (80,1%), numa zona segura (94,5%).

Contudo, existem características específicas na casa ideal dos portugueses, que mudam consoante as zonas do país, com destaque para Lisboa, Porto e Algarve. Para quem vive na capital portuguesa, o preço médio que os lisboetas estão dispostos a pagar é de 166 mil euros, financiados por um crédito à habitação de cerca de 506 euros mensais.

Na ‘Cidade Invicta’, os valores baixam, com os portuenses a considerar pagarem até 137 mil euros, sendo financiados por um crédito à habitação até 491 euros por mês (menos 29 mil euros do que em Lisboa). Por fim, no Algarve os números baixam ainda mais, com os algarvios a pagarem 130 mil euros e a serem financiados por um crédito à habitação de 475 euros mensais.

Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal sublinha que “as necessidades de soluções habitacionais são diferentes, consoante a zona do país, em diversos critérios. Porém, a análise a nível nacional revela desequilíbrios muito significativos entre a oferta e procura de habitação”.

Ler mais
Recomendadas

Site do Jornal Económico teve melhor desempenho de sempre no primeiro trimestre de 2019

Site do Jornal Económico recebeu 12,5 milhões de visitas entre janeiro e março de 2019, o que representa uma subida de 20% face ao mesmo período do ano passado. Número de utilizadores cresceu 30% para cinco milhões e o tempo médio de permanência no site mais do que duplicou, para sete minutos. Obrigado pela sua preferência!

Ministro do Planeamento: Governo quer ter 100% do Portugal 2020 aprovado até ao fim do ano e uma execução de 50%

Nelson de Souza revelou em entrevista à Antena1/Negócios que as aprovações em curso, ao longo de 2019, dos fundos de coesão – sem contar com a agricultura – vão corresponder a um total de 5 mil milhões de euros.

Agência Espacial: Portugal pretende multiplicar negócios por dez até 2030

Acabada de criar, a Agência Espacial Portuguesa é vista pelo ministro da Ciência, Manuel Heitor, como a força capaz de criar mil empregos e gerar uma faturação de 400 milhões de euros até ao fim da próxima década.
Comentários