Lucros da EDP Renováveis descem 30%, para 115 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano

A EDP Renováveis registou lucros de 115,2 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2018, uma diminuição de 30% em relação ao período homólogo de 2017, segundo informação enviada esta quarta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) portuguesa.

A empresa, que tem sede em Madrid, mas que está cotada na bolsa de Lisboa, informa o mercado de que as receitas até setembro totalizaram 1.239 milhões de euros, menos 8% do que um ano antes.

O lucro antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) totalizou 869 milhões de euros (menos 12% do que no mesmo período de 2017).

A empresa, que tinha em 30 de setembro último 1.364 trabalhadores, mais 12% do que um ano antes, revela que os resultados financeiros líquidos caíram para 219 milhões de euros, menos cinco milhões do que um ano antes.

O total de investimentos líquidos no mesmo período, da empresa liderada por João Manso Neto, foi de 1.025 milhões de euros, um aumento de 47% em relação ao período homólogo.

Em setembro de 2018, a EDP Renováveis geria uma carteira global de 11,2 GW (giga watts) repartidos por 11 países e nos últimos 12 meses o portefólio aumentou em 576 MW (mega watts), dos quais 303 MW na América do Norte, 147 MW na Europa e 127 MW no Brasil.

Nos primeiros nove meses do ano a EDP Renováveis produziu 20,7 TWh (tera watts) de energia limpa (+4% do que no mesmo período de 2017), evitando 16,3 Mt (mega toneladas) de emissões de gazes nocivos (CO2).

A EDP Renováveis teve lucros de 276 milhões de euros no final do exercício de 2017, um aumento de 390% em relação a 2016.

A Energias de Portugal, S.A. (“EDP”), é a maior acionista da EDP Renováveis.

Ler mais
Recomendadas

Google suspende negócios com a Huawei após lista negra de Trump

A Huawei vai perder imediatamente acesso a atualizações do sistema operativo Android, e a próxima versão dos seus smartphones fora da China vai também perder acesso a aplicações e servios, incluindo o Google Play Store e o Gmail app.

Empresas do vinho do Porto satisfeitas com devolução de diploma sobre Casa do Douro

Criada em 1932 para defender os viticultores e a viticultura duriense na mais antiga região regulamentada e demarcada do mundo, a Casa do Douro foi perdendo atribuições até que a sua dimensão pública foi extinta em dezembro de 2014, no Governo PSD/CDS-PP, e a sua gestão entregue a uma organização privada, a Federação Renovação do Douro.

Cellnex e DST/Cube avançam para compra da fibra óptica da MEO

Há três candidatos que se preparam para avançar com propostas vinculativas para comprar a rede de fibra ótica da Meo. Entre eles a espanhola Cellnex e a DST em parceria com o Fundo Cube.
Comentários