Maioria dos que fazem compras online prefere fazê-lo nos sites oficiais das marcas

A conclusão é de um estudo do Observador Cetelem eCommerce 2018, que apontam a credibilidade associadas à marca e a perceção de menor risco de fraude como as principais razões para esta preferência.

A grande maioria dos consumidores portugueses preferem fazer compras online nos sites oficiais das marcas, em detrimento das restantes plataformas agregadoras. A conclusão é de um estudo do Observador Cetelem eCommerce 2018, que apontam a credibilidade associadas à marca e a perceção de menor risco de fraude como as principais razões para esta preferência.

O estudo revela que 81% dos consumidores recorrem aos sites das marcas, enquanto 56% admitem utilizar plataformas agregadoras – os marketplaces – como a Amazon ou o EBay. Outros sites como o OLX, Custo Justo ou Santdvirtual são utilizados por 24% dos inquiridos que fazem compras online. A Observador Cetelem eCommerce 2018 nota que, devido à preferência dos consumidores pelos sites das marcas, à uma crescente preocupação dos outros players com a satisfação do consumidor.

A maioria dos inquiridos indica que faz as suas compras em casa, mais concretamente 95%. Um terço dos inquiridos confessam fazer compras online durante o período laboral. As redes sociais e as compras a particulares são outras das formas utilizadas pelos consumidores para comprar artigos online. No entanto, apenas 9% dos consumidores afirmam que utilizam as redes sociais para a realização de compras na Internet.

O estudo teve por base uma amostra representativa de 600 indivíduos, entrevistados por telefone, residentes em Portugal Continental, de ambos os géneros e com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos.

Recomendadas
UTAO: dívida pública fixou-se em 125,8% do PIB no 2º trimestre
Dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, atingiu 246,7 milhões de euros, o que corresponde a 125,8% do Produto Interno Bruto (PIB), contra 131,7% no final de junho de 2017.
Facebook está a contratar diretor para departamento de direitos humanos
Facebook tem uma vaga para o cargo de Director of Human Rights Policy.
“Maior renda alguma vez criada em Portugal foi a extensão dos CAE”, realça ex-presidente da EDP
João Talone, que foi presidente da EDP entre 2003 e 2006, está esta tarde a ser ouvido da comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas
Comentários