Mais de metade do Alojamento Local no Porto pertence a empresas

Um estudo sobre o mapeamento do AL realizado este verão pelo movimento O Porto não se Vende revela que entre os 6.198 registos, mais de metade (51,3%) estão em nome de empresas ou sociedades e sociedades unipessoais.

Ribeira Do Porto

Mais de metade do Alojamento Local (AL) no Porto pertence a empresa, sociedade ou pessoa coletiva (51,3%), sendo que o titular da exploração no primeiro lugar do pódio tem “70 registos”, concluiu um estudo.

Um estudo sobre o mapeamento do AL realizado este verão pelo movimento O Porto não se Vende revela que entre os 6.198 registos de AL que existiam na cidade do Porto até 18 de julho mais de metade (51,3%) estão em nome de empresas ou sociedades e sociedades unipessoais.

Entre os registos, o estudo revela ainda que há 84 titulares de AL com “mais de oito registos” e que o titular coletivo com mais AL na cidade do Porto tem “70 registos” efetivos na página do Registo Nacional de Alojamento Local (RNAL).

O segundo titular coletivo com mais AL apresenta-se na RNAL com 61 registos em terceiro lugar do pódio está o titular com “48 registos”, acrescenta o mesmo estudo.

“Estes titulares, em conjunto, são responsáveis por 1.352 registos (21,2% do total na cidade). Neste grupo sobressai ainda um subgrupo de 27 titulares com mais de “16 registos”, e que detém “751 registos”, ou seja 12,4%, lê-se no mesmo documento ao qual a Lusa teve hoje acesso.

Em declarações à Lusa, uma das representantes do Movimento O Porto não se Vende, Ana Barbeiro, descreve, por exemplo, que alguns desses registos coletivos são de áreas bem distintas da turística, aparecendo por exemplo uma sociedade de gestão agrícola.

Na análise que a Lusa realizou hoje na página da Internet da Registo Nacional de Alojamento Local (RNAL) sobre os “titulares da exploração” de AL no Porto, pode ler-se, por exemplo, que estão incluídas sociedades tão díspares como organizações de informática, ferragens, serviços médicos (Moreira da Costa), sociedade de eventos, Associação do Hospital de Crianças Maria Pia, estabelecimentos de restauração e bebidas ‘take away’, café e similares ou farmácias.

Os restantes registos – 3.019 – que correspondem a 48,7% do total de registos são de pessoas singulares.

Em entrevista telefónica à Lusa, José Pedro Lobo, titular do Alojamento Local no Porto designado por Guimarães Sousa Lobo, Investimentos Imobiliário, empresa dedicada à Reabilitação Urbana, que depois vende, faz arrendamento convencional e também turismo de alojamento local, conta à Lusa que uma parte dos operadores turísticos de AL no Porto são empresas que prestam serviço aos verdadeiros proprietários e que ganham entre “20 a 30%” por cada noite vendida.

“Há empresas que gerem o alojamento local e que ficam com 20 a 30%. As transferências são enviadas para o senhorio e depois há uma percentagem entregue à operadora que faz o acolhimento dos hóspedes à chegada, trata da lavandaria ou faz de cicerone na cidade”, descreve.

Há também a modalidade de o proprietário fazer um “contrato de arrendamento” e ser a operadora turística a gerir o apartamento pagando uma renda fixa ao proprietário, mas ficando com todo o lucro e ou prejuízo da casa que fica em AL.

Nos AL do Porto estão incluídos apartamentos, moradias, estabelecimentos de hospedagem e estabelecimentos tipo ‘hostel’.

A maioria do AL no Porto são apartamentos (86,7%), ou seja há 5.376 apartamentos da cidade do Porto destinados para turistas.

Ler mais
Relacionadas

Airbnb pagou 3,5 milhões de euros a Lisboa e Porto em taxas turísticas nos primeiros seis meses do ano

Desde 2016, no total, a empresa de alojamento local cobrou 9,1 milhões de euros em taxas turísticas, entregues às câmaras municipais de Lisboa e do Porto.

Alojamento local sobe nas preferências dos portugueses

O estudo “Observador Cetelem Férias de Verão 2018” concluiu que esta será a escolha de 23% dos portugueses para descansar este ano. Contudo, a estada na casa de amigos e família mantém-se no topo das preferências.

Receitas do alojamento turístico em Portugal disparam 18,6% em 2017

Segundo dados da Organização Mundial de Turismo, em 2017 ocorreram 1.323 milhões de chegadas de turistas internacionais em todo o Mundo, traduzindo um acréscimo de 84 milhões face ao ano anterior.
Recomendadas

Quinze novos autocarros das Carris começam a circular em Lisboa na sexta-feira

“Para completar um total de 250 autocarros, vão chegar em média quatro novos por semana, a partir de janeiro”, refere a empresa em comunicado.

Trabalhadores da RTP aprovam greve

Os sindicatos afetos ao canal público já tinham entregado pré-avisos de greve.

Pharol desiste de aumentar o capital, mas diz que tem “outros meios” para manter a Oi

A Pharol diz que a participação da Pharol no aumento do capital social da Oi pode ser prosseguida “com uma gestão combinada das disponibilidades de caixa, dos direitos de subscrição preferencial e das ações Oi”.
Comentários