Morais Leitão ‘refresca’ imagem, abre novo escritório na China e passa a chamar-se… Morais Leitão

Na apresentação da nova imagem da sociedade de advogados, 25 anos depois da fusão dos escritórios de João Morais Leitão e José Manuel Galvão Teles, o ‘managing partner’ – através de um vídeo gravado na China – revelou ainda que a (agora, formalmente) Morais Leitão passará a ter também um escritório em Hong Kong.

A Morais Leitão formalizou esta terça-feira o que há muitos anos já era informal: que se chama Morais Leitão. A sociedade de advogados apresentou a sua nova imagem, que inclui um logótipo mais minimalista, um website mais user-friendly e um azul mais forte, que procuram acompanhar a modernidade. Chegaram ao fim os dias da “MLGTS” (Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva e Associados) e começou a era “ML” (Morais Leitão).

A apresentação do rebranding esteve a cargo dos sócios Tomás Vaz Pinto, coordenador de uma das equipas de Comercial e M&A, e António Lobo Xavier, número um da equipa de Fiscal do escritório do Porto. Os partners deram as boas vindas aos “amigos, clientes e fundadores” da casa e recordaram o histórico advogado João Soares da Silva, antigo sócio e chairman, que faleceu no passado mês de agosto. “Faz cá falta um dos nossos sócios que muito esteve ligado a estas novidades. Pensamos muito nele neste dia”, confessou António Lobo Xavier.

Neste evento interno, alargado a parceiros, a firma anunciou ainda a inauguração de um escritório em Hong Kong. “Quanto tempo demora uma viagem da rua Castilho à Des Voeux Road em Hong Kong? Se for feita com toda a segurança e rigor, a bordo de um escritório de advocacia de primeira classe, demora 25 anos”, brincou Nuno Galvão Teles – que esteve presente através de um vídeo, gravado a partir da China.

“Somos a Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva e Associados mas, informalmente, sempre nos chamaram Morais Leitão. É uma merecida homenagem a um dos nossos mais brilhantes fundadores e um sinal inequívoco de que, nomes à parte, a raiz sempre foi e será a mesma: o gosto pela advocacia, uma referência que estimamos de qualidade, o brio, a concentração de talento e a ambição de ser líder em todas as áreas do direito”, afirmou.

Recorde-se que, há 25 anos, João Morais Leitão e José Manuel Galvão Teles uniram esforços para criar uma firma conjunta. “Foi a maior fusão de sempre  no mercado da advocacia em Portugal”, recordou o sócio e coordenador de uma das equipas de Comercial e M&A e Mercado de Capitais. Uma década depois foram os escritórios de Miguel Galvão Teles e de João Soares da Silva que se juntaram à sociedade e, mais tarde, o de Osório de Castro, Verde Pinho, Vieira Peres e Lobo Xavier. Atualmente, a sociedade já tem presença em Lisboa, no Porto e no Funchal e, através da rede MLGTS Legal Circle, em Angola, Macau e Moçambique.

Segundo o managing partner, o objetivo é que a nova identidade acompanhe a modernidade e, ao mesmo tempo, espelhe a herança dos fundadores. “A nossa instituição é hoje maior e melhor do que a soma dos escritórios que lhe deu origem, tendo mantido, ao longo dos anos, uma tradição de compromisso, rigor, inovação e dedicação à ciência jurídica e aos nossos clientes. As gerações têm vindo a renovar-se, acrescentando sucesso e continuidade ao projeto inicial dos nossos fundadores”, garante Nuno Galvão Teles.

Ler mais
Recomendadas

Fintechs com “misto de sensações” sobre acesso a contas bancárias

Os novos operadores da área financeira consideram que os bancos devem ir além das obrigações da diretiva dos pagamentos.

RGPD: Aplicação prática apenas nas grandes empresas?

Será muito mais benéfico para uma Google infringir o diploma europeu, pagar a coima e continuar com receitas bilionárias do que para uma startup, que se está lançar no mercado e se, por acaso, o violar o regulamento pode ir à falência.

“Falar Direito”: Veja aqui o programa desta semana

O programa de advocacia do Jornal Económico, “Falar Direito”, recebe nesta edição Vítor Marques da Cruz, sócio fundador da MC&A, que fala sobre o trabalho desenvolvido em África. Desde 2012 este escritório assessorou negócios no valor de 2,5 mil milhões de euros em Angola.
Comentários