Morais Leitão ‘refresca’ imagem, abre novo escritório na China e passa a chamar-se… Morais Leitão

Na apresentação da nova imagem da sociedade de advogados, 25 anos depois da fusão dos escritórios de João Morais Leitão e José Manuel Galvão Teles, o ‘managing partner’ – através de um vídeo gravado na China – revelou ainda que a (agora, formalmente) Morais Leitão passará a ter também um escritório em Hong Kong.

A Morais Leitão formalizou esta terça-feira o que há muitos anos já era informal: que se chama Morais Leitão. A sociedade de advogados apresentou a sua nova imagem, que inclui um logótipo mais minimalista, um website mais user-friendly e um azul mais forte, que procuram acompanhar a modernidade. Chegaram ao fim os dias da “MLGTS” (Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva e Associados) e começou a era “ML” (Morais Leitão).

A apresentação do rebranding esteve a cargo dos sócios Tomás Vaz Pinto, coordenador de uma das equipas de Comercial e M&A, e António Lobo Xavier, número um da equipa de Fiscal do escritório do Porto. Os partners deram as boas vindas aos “amigos, clientes e fundadores” da casa e recordaram o histórico advogado João Soares da Silva, antigo sócio e chairman, que faleceu no passado mês de agosto. “Faz cá falta um dos nossos sócios que muito esteve ligado a estas novidades. Pensamos muito nele neste dia”, confessou António Lobo Xavier.

Neste evento interno, alargado a parceiros, a firma anunciou ainda a inauguração de um escritório em Hong Kong. “Quanto tempo demora uma viagem da rua Castilho à Des Voeux Road em Hong Kong? Se for feita com toda a segurança e rigor, a bordo de um escritório de advocacia de primeira classe, demora 25 anos”, brincou Nuno Galvão Teles – que esteve presente através de um vídeo, gravado a partir da China.

“Somos a Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva e Associados mas, informalmente, sempre nos chamaram Morais Leitão. É uma merecida homenagem a um dos nossos mais brilhantes fundadores e um sinal inequívoco de que, nomes à parte, a raiz sempre foi e será a mesma: o gosto pela advocacia, uma referência que estimamos de qualidade, o brio, a concentração de talento e a ambição de ser líder em todas as áreas do direito”, afirmou.

Recorde-se que, há 25 anos, João Morais Leitão e José Manuel Galvão Teles uniram esforços para criar uma firma conjunta. “Foi a maior fusão de sempre  no mercado da advocacia em Portugal”, recordou o sócio e coordenador de uma das equipas de Comercial e M&A e Mercado de Capitais. Uma década depois foram os escritórios de Miguel Galvão Teles e de João Soares da Silva que se juntaram à sociedade e, mais tarde, o de Osório de Castro, Verde Pinho, Vieira Peres e Lobo Xavier. Atualmente, a sociedade já tem presença em Lisboa, no Porto e no Funchal e, através da rede MLGTS Legal Circle, em Angola, Macau e Moçambique.

Segundo o managing partner, o objetivo é que a nova identidade acompanhe a modernidade e, ao mesmo tempo, espelhe a herança dos fundadores. “A nossa instituição é hoje maior e melhor do que a soma dos escritórios que lhe deu origem, tendo mantido, ao longo dos anos, uma tradição de compromisso, rigor, inovação e dedicação à ciência jurídica e aos nossos clientes. As gerações têm vindo a renovar-se, acrescentando sucesso e continuidade ao projeto inicial dos nossos fundadores”, garante Nuno Galvão Teles.

Ler mais
Recomendadas

CCA Ontier tem nova coordenadora de Contencioso

A CCA Ontier anuncia a nomeação da advogada Catarina Limpo Serra como associada coordenadora do departamento de Contencioso.

Bloco de Esquerda avança com projeto de regulação das relações laborais na advocacia

Projeto de lei entregue hoje na Assembleia da República visa garantir que “as relações laborais no âmbito da advocacia são desenvolvidas dentro da legalidade, através de um contrato de trabalho reduzido a escrito, aplicando-se o Código do Trabalho ao início, ao conteúdo e à cessação dessas relações laborais”.

Quem pode auditar os créditos do Novo Banco? PwC auditou em 2017, EY em 2018 e KPMG tem legado do BES

Qual é a auditora que tem independência para avaliar os créditos do Novo Banco? Depois da KPMG, da PwC e da EY, só resta a Deloitte das “Big Four” para fazer a grande auditoria aos créditos do banco desde os tempos do BES que os políticos pediram.
Comentários