Moscovo envenenou ex-espião? É “altamente provável”, reconhece May

Primeira-ministra britânica segue suspeitas já antes evidenciadas pela polícia antiterrorismo. E afirma em pleno parlamento que Moscovo pode se responsável pelo duplo atentado.

Reuters

É “altamente provável” que Moscovo tenha sido responsável pelo envenenamento do antigo espião Sergei Skripal e da sua filha Yulia. É pelo menos esta a convicção da primeira-ministra britânica, Theresa May, que esta segunda-feira disse no Parlamento britânico que ou o governo russo foi responsável direto pelo envenenamento ou permitiu que o agente nervoso usado em Skripal chegasse às mãos dos atacantes.

Sergei Skripal, de 66 anos, e a filha Julia Skripal, de 33 anos, continuam hospitalizados “em estado crítico”. Sergei Skripal, ex-agente dos serviços secretos militares de Moscovo, foi processado na Rússia em 2004 por ter colaborado com os serviços de informações britânicos (MI6), mas conseguiu refugiar-se no Reino Unido em 2010, depois de ter sido libertado no quadro de uma troca de espiões entre os dois países.

A convicção de Theresa May parte daquilo que as autoridades públicas que têm em mãos o combate ao terrorismo também pensam. Logo a seguir ao duplo atentado, a comunicação social britânica afirmava que o departamento de contraterrorismo britânico suspeitava que Moscovo estaria por detrás do crime – o que, aliás, não terá sucedido pela primeira vez.

Refira-se ainda que o polícia britânico Nick Bailey, que encontrou o pai e a filha depois do atentado, também ficou afetado e está internado.

Recomendadas

“Ameaça para a segurança pública”. Como a polícia da Suíça encara Roman Abramovich

Relatório da polícia federal da Suíça aponta para “suspeição de branqueamento de capitais e supostos contactos com organizações criminais” envolvendo o oligarca russo, proprietário do clube de futebol londrino Chelsea FC. Abramovich requereu o estatuto de residente na Suíça mas o pedido foi recusado pelas autoridades.

“Ele deu uma facada e rodou. Para matar, mesmo”. Bolsonaro fala pela primeira vez depois do ataque

”Ele deu uma facada e rodou. Para matar mesmo. O cara sabia o que estava fazendo. Por milímetros não atingiu veias que eu não teria como resistir”, revelou o candidato sobre o ataque de foi alvo.

Despesas dos eurodeputados devem continuar a ser secretas, decide Tribunal de Justiça da UE

Cada deputado ao Parlamento Europeu recebe cerca de 4 mil euros por mês para “despesas gerais” do respetivo gabinete. Tribunal de Justiça da União Europeia rejeita apelo de maior transparência, nomeadamente através da apresentação de faturas das despesas, porque isso colocaria em causa a “privacidade” dos eurodeputados.
Comentários