Número de desempregados inscritos nos centros de emprego em outubro é o mais baixo em 9 anos

O desemprego diminuiu nos três setores de atividade económica face ao mês homólogo de 2016.

Hugo Correia/Reuters

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixou 17,5% em outubro, face a igual mês de 2016, para 404.564 pessoas, e 1,5% face ao mês anterior, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo IEFP.

De acordo com os dados disponíveis na página do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), e mantendo a tendência dos meses anteriores, é preciso recuar até outubro de 2008 para encontrar um número mais baixo do que o observado em outubro.

Para a diminuição do desemprego registado, face ao mês homólogo de 2016, contribuíram todos os grupos de desempregados, com destaque para os homens (com menos 20%), os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (menos 17%), os inscritos há menos de um ano (menos 19%), os que procuravam novo emprego (menos 18%) e os que possuem como habilitação escolar o primeiro ciclo do ensino básico (menos 20%).

Segundo o IEFP, o desemprego afetava em outubro 47.979 jovens, o que representa uma redução homóloga de 21,1% (menos 12.804 jovens), embora tenha aumentado em termos mensais (com uma subida de 1,3%, o correspondente a mais 625 jovens).

Já o número de desempregados de longa duração foi de 199.869 no mês de outubro, ficando abaixo dos 200 mil pela primeira vez desde o início de 2011, diminuindo 16,4% em relação ao mês homólogo (menos 39.116 pessoas) e 2,7% em termos mensais (menos 5.456 pessoas).

A nível regional, comparando com o mês de outubro de 2016, o desemprego diminuiu em todas as regiões, destacando-se o Algarve com a descida percentual mais acentuada (-27,3%).

No que respeita à atividade económica de origem do desemprego, dos 334.666 desempregados que, no final do mês em análise, estavam inscritos como candidatos a novo emprego, 69,4% tinham trabalhado em atividades do setor dos serviços, 24,6% eram provenientes da indústria e 4,7% do setor agrícola.

O desemprego diminuiu nos três setores de atividade económica face ao mês homólogo de 2016.

Ler mais
Recomendadas

PremiumPresidente do CRUP afirma que é necessário tornar o Ensino Superior prioridade

Em entrevista ao Jornal Económico, António Fontainhas Fernandes aponta os maiores problemas das universidades, como o rejuvenescimento da academia, ação social e alojamento para os estudantes, e avança com algumas soluções. Diz ainda que o OE2019 deve ser mais ambicioso.

PremiumEducação é o parente pobre de um orçamento expansionista

Os ministérios ligados diretamente à economia são aqueles que apresentam dotações para 2019 com maior crescimento. Todos os gabinetes contam com mais dinheiro, mas a Educação não consegue sequer absorver a inflação.

PremiumPropinas baixam 212 euros. Medida custa ao país 50 milhões

Manuel Heitor deixa a sua impressão digital no Orçamento de Estado para 2019 ao avançar a medida que baixa as propinas cobradas no ensino superior, que se encontravam congeladas desde 2016. O tecto máximo das propinas, atualmente, nos 1.068 euros cai para 856 euros, no ano letivo 2019/2020, o que representa uma redução exata de 212 euros por ano.
Comentários