Nuno Ribeiro da Silva: “Energia tem sido o calcanhar de Aquiles da nossa economia”

O presidente da Endesa falava nos Open Days PME Connect.

“O setor da Energia tem sido um calcanhar de Aquiles para a nossa economia e para o nosso País, mas há uma boa notícia: o que se tem falado da transição energética vai acontecer e de forma acelerada”, defendeu Nuno Ribeiro da Silva, CEO da Endesa, no debate sobre o setor energético nos Open Days PME Connect.

“É um novo paradigma em que a oferta da energia, não só elétrica, é cada vez mais modelável, e há uma maior democratização da engenharia e hardware que alimenta as diferentes fileiras energéticas. E isto são boas notícias para Portugal”, referiu ainda o presidente da Endesa em Portugal.

O CEO referiu que o setor de Energia sempre esteve vulnerável ao custo das commodities, mas também aos equipamentos, “com estes a serem também ao longo de décadas completamente importados, e com os mesmos players a dominar o mercado mundial”.

“No entanto há um novo facto”, disse Nuno Ribeiro da Silva citado no comunicado do Open Days PME Contact, referindo-se “à pressão a que todos os players estão sujeitos para usar a energia de forma responsável, pensada, com menos desperdício, na oferta mas também no uso final. Isto abre um grande número de possibilidades ao nível da inovação e das tecnologias, para aumentar a eficiência”.

Já Paulo Carmona, moderador do painel dedicado à Energia, considera que “Portugal sempre foi um país pobre em recursos energéticos, mas temos outros recursos e competências muito importantes, que nos permitem ser um importante player do setor”.

O debate contou ainda com os representantes da EDP, da MegaJoule e da Efacec.

Os “Open Days PME Connect” são um evento de business networking em que serão partilhadas experiências no âmbito do projeto PME Connect.

Ler mais
Recomendadas
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

Adivinhar o futuro

É necessário o relançamento de uma política fiscal que favoreça a atividade empresarial, sobretudo que permita o incremento da competitividade.

Dividir Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft: o Oriente agradece

Atualmente, quando se pensa na divisão das megaempresas para ganhar terreno no plano concorrencial, não se pode pensar apenas no plano económico, também importa pensar no plano geopolítico.
Comentários