Pedrógão Grande: Impacto na saúde das dioxinas produzidas no incêndio está a alarmar investigadores

O Ministério da Saúde já foi contactado pela equipa de investigadores, que se disponibilizaram para fazer os trabalhos de monitorização da região. O incêndio em Pedrógão Grande esteve ativo durante cinco dias e consumiu um total de 45.979 hectares de floresta.

Uma equipa de investigadores do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (Cintesis), no Porto, indica que, depois do violento incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande a 17 de junho, a produção de dioxinas com efeitos nefastos para a saúde pode atingir níveis “bastante elevados”. Os investigadores sublinham a importância de se monitorizar a área e analisar os alimentos produzidos e consumidos na região, pois estes “podem estar contaminados”.

“Um incêndio é uma das situações que mais promove a produção de dioxinas e que têm efeitos nefastos na saúde das pessoas”, explica ao jornal ‘Público’ a investigadora Conceição Calhau. “Além da contaminação mais direta pelo ambiente, os alimentos produzidos naquela região também podem estar contaminados. E durante muito tempo. Por isso, é que é tão importante monitorizar aquela região e aquelas pessoas”.

O Ministério da Saúde já foi contactado pela equipa de investigadores, que se disponibilizaram para fazer os trabalhos de monitorização da região. A Administração Regional de Saúde do Centro está ainda a avaliar a proposta para que se possa depois avançar com um plano de ação no terreno.

Quando expostos, mesmo que em doses muito reduzidas, a poluentes orgânicos persistentes, os seres humanos podem desenvolver problemas como obesidade, inflamação, diabetes e hipertensão arterial, sendo que as dioxinas têm a capacidade de danificar a capacidade de danificar a saúde metabólica.

O incêndio em Pedrógão Grande esteve ativo durante cinco dias e consumiu um total de 45.979 hectares de floresta, tendo-se alastrado a seis concelhos vizinhos: Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos, Pampilhosa da Serra, Sertã, Góis e Penela.

Recomendadas

Decisão sobre Infarmed é coerente e teve em conta vontade dos trabalhadores, diz ministro

O ministro da Saúde considera que a decisão de suspender para já a deslocalização do Infarmed para o Porto “é coerente” com o que Governo tem afirmado e foi tomada tendo em conta a vontade dos trabalhadores da instituição.

Infarmed pode manter-se em Lisboa. Tudo vai depender de comissão da Assembleia da República

Adalberto Campos Fernandes disse hoje aos deputados na comissão parlamentar de Saúde que “o contexto político mudou significativamente” em relação há um ano.

Greve dos enfermeiros com adesão entre 75% e 80%

Consultas externas, os blocos de cirurgia nos hospitais e os centros de saúde são os serviços mais afetados.
Comentários