Pedrógão Grande: provas do combate ao incêndio foram “apagadas” ou “destruídas”

Os auditores indicam que “limitações na obtenção de elementos de prova”, que podem ser vitais para o apuramento de responsabilidades.

HO/Reuters

O relatório da auditoria interna da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) aponta falhas graves na organização inicial do combate ao incêndio de Pedrógão Grande, no ano passado, e revela que houve documentos que foram apagados ou destruídos. Os auditores indicam que se depararam com “limitações na obtenção de elementos de prova”, que podem ser vitais para o apuramento de responsabilidades, avança o jornal “Público”.

O documento, que faz a análise ao desempenho dos seus agentes no combate ao fogo de junho do ano passado, indica que houve uma total desorganização no combate inicial ao incêndio, que esteve sob responsabilidade do comandante dos bombeiros de Pedrógão Grande, Augusto Arnaut. O relatório aponta demoras na chegada de veículos de comunicação e na sua localização, por não haver rede no local, o que terá contribuído para o caos.

Durante a elaboração do relatório, os auditores ter-se-ão deparado com discrepâncias nos relatos sobre o momento em que foram distribuídas as responsabilidades no combate ao fogo e sobre a divisão do teatro de operações. Além disso, os redatores foram confrontados com a inexistência de provas documentais sobre o trabalho de combate ao fogo.

“Não foi possível aceder a um único SITAC [quadro de situação tática], a um único quadro de informação de células, ou a um PEA [plano estratégico de ação]”, lê-se no documento. “Todos esses documentos haviam sido apagados dos quadros das VCOC e VPCC [viaturas de comunicação], ou destruídos os documentos em papel que os suportaram”.

A auditoria interna da ANPC foi pedida pela então ministra Constança Urbano de Sousa, que entretanto se demitiu. O documento foi então entregue ao novo responsável pela pasta, Eduardo Cabrita, em meados de novembro. No entanto, o relatório nunca foi divulgado.

Relacionadas

Quanto valeu ao Estado a madeira ardida em 2017? 2,85 milhões de euros

No que respeita à madeira da Mata Nacional de Leiria, o Estado esperava conseguir 2,256 milhões de euros, mas realizou 1,59 milhões de euros, tendo sido vendidos os lotes com madeira de melhor qualidade.
Recomendadas

CGTP considera possível aumento salarial de mais de mil euros

A CGTP considera possível um aumento salarial superior a mil euros por trabalhador, em média, e vai usar essa perspetiva para defender o aumento generalizado dos salários junto dos partidos com representação parlamentar, a partir de hoje.

Se formar Governo, CDU promete reabrir escolas, hospitais e balcões da CGD e correios

Se conseguir formar Governo, após as eleições de outubro, a Coligação Democrática Unitária (CDU) compromete-se a reabrir, de imediato, serviços públicos encerrados, como estações de correios, balcões da CGD, unidades de saúde e escolas, na próxima legislatura.

Fumadores arriscam até 250 euros de multa se atirarem beatas para o chão

Se os tabagistas estão sujeitos a multas, o mesmo acontece às entidades que não disponibilizem cinzeiros aos clientes. Para as entidades, as multas podem ir dos 250 euros até aos 1.500 euros. A medida vai ser submetida à votação final na sexta-feira e só entra em vigor em 2020.
Comentários