PGR investiga viagens de altos quadros do Estado pagas pela NOS, Huawei e Oracle

O Ministério Público recolheu elementos sobre viagens à China de seis quadros da Saúde e da Autoridade Tributária e decidiu enviá-los ao Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa. Despesas foram pagas pela NOS. Na mira da Justiça está também o novo caso de viagens de altos quadros do Estado pagas pela Oracle.

Ler mais

O Ministério Público confirma que vai investigar as viagens à China de cinco quadros dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde e da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT). Fonte oficial do gabinete de Joana Marques Vidal revela que a Procuradoria-Geral da República (PGR) procedeu à recolha de elementos e decidiu enviá-los ao Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa com vista a investigação.

“Relativamente às notícias vindas a público no último fim-de-semana, a Procuradoria-Geral da República procedeu à recolha de elementos e decidiu enviá-los ao DIAP de Lisboa com vista a investigação”, revela fonte oficial da PGR, acrescentando que relativamente às notícias vindas a público nas últimas horas (Observador revela que altos quadros do Estado viajaram aos EUA, em 2014, com despesas pagas pela tecnológica Oracle), a PGR “encontra-se a recolher elementos sobre a matéria”.

Na última edição impressa do Expresso, o jornal revelou que os seis dirigentes visitaram o hospital de Zhang Zhou e a sede da Huawei numa viagem de cinco dias em julho de 2015. Segundo o Eco, as despesas com os voos para Hong Kong foram pagas pela NOS, parceira da Huawei, que terá pago as restantes deslocações dentro da China. Tal como o Jornal Económico noticiou ontem, os ajustes diretos à NOS tiveram um aumento de 900% desde a viagem à China, dos anteriores 49 mil euros para 490 mil.

Os quadros do SPMS são Artur Trindade Mimoso (vogal executivo do conselho de administração), Nuno Lucas e Rui Gomes (diretores de sistemas de informação), Ana Maurício (diretora de comunicação), e Rute Belchior (diretora de compras). Da Autoridade Tributária, a viagem foi realizada por Carlos Santos (chefe da equipa multidisciplinar de 2º nível do Núcleo de Sistemas Distribuídos), em fevereiro do mesmo ano.

Já o Observador revela hoje que após o caso Galp e o caso Huawei, agora é a vez da empresa de tecnologia e informática Oracle protagonizar um “Oraclegate”: cinco altos funcionários do Estado — de estruturas que dependiam dos ministérios da Segurança Social, das Finanças, do Ministério da Administração Interna e do Ministério da Saúde — viajaram para São Francisco, nos Estados Unidos, com estadia na cidade entre 28 de setembro e 2 de outubro de 2014. As entradas no evento mundial do gigante tecnológico norte-americano foram pagas por parceiros e pela própria empresa. Segundo o Observador, destes cinco funcionários, três ainda estão em funções no Estado.

Altos quadros da Saúde colocam lugares à disposição

O Ministério da Saúde confirmou ontem que, entretanto, os cinco dirigentes do Ministério da Saúde puseram o lugar à disposição do ministro Adalberto Campos Fernandes que ordenou uma investigação. A AT abriu tamb+em uma investigação ao dirigente do fisco.

Segundo o Ministério da Saúde, os factos ocorridos em junho de 2015 enquadram aspetos que “carecem de clarificação ao nível do seu contexto ético, jurídico e institucional”. Em comunicado, realça que neste sentido, foi determinado pelo gabinete de Adalberto Campos Fernandes, aquando do conhecimento dos factos, o pedido de intervenção “urgente” da Inspeção Geral das Atividades em Saúde (IGAS).

“Durante o dia de hoje [ontem] ocorreram diversas reuniões com os referidos dirigentes, na sequência das quais foram colocados à disposição os respetivos lugares, em particular pelos senhores presidente e vogal do Conselho de Administração da SPMS”, avança o comunicado, realçando que o Ministério da Saúde, “na convicção de que o exercício de funções públicas exige obrigações especiais de transparência, rigor comportamental e observância dos princípios éticos, regista como positiva esta atitude”.

É ainda adiantado que tendo em conta que a intervenção requerida à IGAS, com carácter de urgência, se encontra em desenvolvimento, entende o Ministério da Saúde ser adequado aguardar pelas respetivas conclusões, as quais habilitarão a uma tomada de decisão “definitiva, justa e fundamentada”.

A 16 de agosto o Observador tinha já dado conta que Ministério Público abriu um inquérito às viagens de políticos à China pagas pela empresa Huawei – entre as quais de Paulo Vistas, presidente da Câmara Municipal de Oeiras, e alguns dirigentes do PSD -, adiantando que “os elementos recolhidos foram enviados ao DIAP de Lisboa para inquérito”. Os casos podem configurar eventuais recebimentos indevidos de vantagem, à semelhança das viagens da Galp ao Euro 2016, que levaram à saída de três secretários de Estado do Governo, dois chefes de gabinete e um assessor do primeiro-ministro, António Costa.

A este respeito, a PGR adianta que “relativamente às notícias vindas a público no final do mês de julho, como já foi tornado público, a matéria é objeto de inquérito que corre termos no DIAP de Lisboa. O inquérito encontra-se investigação, não tem arguidos constituídos e está em segredo de justiça”.

As primeiras viagens oferecidas pela Huawei, reveladas pelo Observador, envolviam Sérgio Azevedo, deputado e vice-presidente da bancada do PSD; Ângelo Pereira, vereador do PSD na câmara de Oeiras e candidato nas próximas autárquicas; e Luís Newton, presidente da Junta de Freguesia da Estrela, também do PSD. Também ao presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Paulo Vistas, viajou à China pago pela mesma empresa em setembro de 2014, além de outros políticos e quadros que constavam na lista da tecnológica chinesa.

 

 

Relacionadas
Oracle também pagou viagens a quadros do Estado
A Oracle é a mais recente empresa que se sabe ter pago viagens a quadros do Estado. A um evento da marca, em São Francisco, EUA, foram cinco quadros de estruturas sob a tutela dos ministérios da Segurança Social, Finanças, Administração Interna e Saúde. E há quem não seja estreante nestas andanças.
Ajustes diretos da SPMS à NOS aumentaram 900% após viagem paga à China
Desde a viagem à China (paga pela NOS) de cinco dirigentes da empresa pública Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), há dois anos, a SPMS atribuiu 10 ajustes diretos à NOS por cerca de 490 mil euros. Nos dois anos anteriores à viagem, a SPMS apenas tinha celebrado dois contratos com a NOS por cerca de 49 mil euros.
Diretores do Ministério da Saúde e da Autoridade Tributária terão ido à China a convite e expensas da Huawei
Segundo o jornal “Expresso”, altos quadros do Estado beneficiaram de viagens pagas que incluíram visita à sede da Huawei, em Shenzhen. Em causa poderá estar a prática de um crime de recebimento indevido de vantagem, punível com cinco anos de prisão. O Ministério das Finanças já abriu uma investigação. Mas a Huawei nega ter pago.
Recomendadas
Transparência: PS quer regresso da lista das subvenções vitalícias
A lista, composta na maioria por políticos reformados, deixou de ser publicada em maio, depois de surgirem dúvidas colocadas pelo Regulamento Geral de Proteção de Dados.
Comissão parlamentar quer ouvir Manuel Pinho em 17 de outubro
Fonte parlamentar adiantou à agência Lusa que para 17 de outubro ficou agendada a audição do ex-ministro da Economia Manuel Pinho, sendo esta a última data deste lote de inquirições previstas.
João Lourenço: “Investimentos portugueses são bem-vindos”
O Presidente angolano, João Lourenço, afirmou esta terça-feira que os investimentos diretos portugueses em todos os setores em Angola são “bem-vindos” e que Portugal pode assumir um papel relevante no desenvolvimento dos dois países.
Comentários