Produção no setor da construção cresce em maio na zona euro

Hungria e Roménia lideram as maiores subidas em termos homólogos. Em Portugal, a produção no setor da construção aumentou 3,7% na variação homóloga.

A produção no setor da construção cresceu em maio 2% na zona euro e 2,5% na União Europeia (UE), face ao mesmo mês de 2018, segundo dados divulgados esta quarta-feira pelo Eurostat.

Já na comparação com abril, a produção no setor da construção recuou 0,3%, quer nos países da moeda única, quer no conjunto dos 28 Estados-membros.

Segundo o gabinete estatístico europeu, na variação homóloga as maiores subidas do indicador foram observadas na Hungria (26,2%), Roménia (23,8%) e Eslovénia (11,1%), com dois recuos, registados na Finlândia (-1,6%) e na Bélgica (-1,5%).

Face a abril, a produção no setor da construção teve as maiores quebras na Roménia (-7,6%), Finlândia (-3,1%) e Suécia (-2,9%) e os principais avanços na Eslovénia (4,1%), França (1,9%) e Holanda (1,4%).

Em Portugal, a produção no setor da construção aumentou 3,7% na variação homóloga e recuou 0,1% na comparação com abril.

Recomendadas

Leite achocolatado, bolachas e cereais para crianças deixam de ter publicidade

A lei da publicidade vai apertar a partir do próximo mês de Outubro. As multas para os que infringirem a lei da publicidade ronda os 1.750 euros e 45 mil euros. Outros produtos que deixarão de ser publicitados a este público são também 90% dos cereais de pequeno almoço e 72% dos iogurtes que estão no mercado.

Portugal aceita renegociação de dívida cubana com mais de 30 anos

Dívida cubana em atraso resultou de operações de crédito garantidas por Portugal através da companhia de seguros de crédito COSEC e remonta aos anos 80. Estado cubano compromete-se a pagar até 2029 prestações anuais crescentes.

Apetite dos investidores pela dívida portuguesa não deverá tirar férias

Esta quarta-feira, o IGCP realiza um leilão duplo de Bilhetes do Tesouro, num mês em que “há menos” liquidez nos mercados. Segundo o diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa, Filipe Silva, “apesar de estarmos em agosto” não irá ter qualquer efeito na ida de Portugal aos mercados.
Comentários