Professores e governo têm hoje o ‘Dia D’

Os sindicatos apelam aos professores e educadores para que marquem presença em frente ao Ministério da Educação em apoio das suas propostas, durante a reunião desta quarta-feira.

Ler mais

As estruturas sindicais dos professores ASPL, FENPROF, FNE, Pró-ordem, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPE, SIPPEB e SPLIU reúnem esta quarta-feira à tarde, 11 de julho, no Ministério da Educação, na que já é considerada um dos mais importantes embates entre sindicatos e Ministério desate legislatura. Sobre a mesa estará o principal ponto de discórdia entre as parte, o descongelamento das carreiras  docentes, alterada, segundo os sindicatos, em nove anos, quatro meses e dois dias de congelamento.

A FENPROF, maior sindicato do setor, afeto à CGTP, fez saber que para a mesa das negociações levará outras matérias, como a necessidade de ser criado um regime de aposentação que contrarie o curso de envelhecimento da profissão docente, medidas que permitam atenuar o profundo desgaste que afeta os profissionais e, ainda, medidas que combatam o elevado nível de precariedade que continua a afetar este setor profissional.

Em relação à recomposição da carreira docente, em particular no que respeita à recuperação do tempo que esteve congelado, a FENPROF reitera que “só estará disponível para negociar o que a Lei do Orçamento do Estado estabelece como devendo ser negociado: o prazo e o modo. Quanto ao tempo a recuperar, sobre isso nada há para negociar: é todo”.

A Associação Sindical de Professores Licenciados (APSL), outra das estruturas presentes na reunião, espera “maior abertura e flexibilidade negocial por parte da tutela”, designadamente no que diz respeito à recuperação de todo o tempo de serviço congelado, aos horários de trabalho e ao regime de aposentação dos professores, considerando o desgaste e envelhecimento da classe.

“Quando inquiridos sobre a ação reivindicativa, os professores e educadores responderam estar ao lado dos seus sindicatos, apoiando a luta que tem vindo a ser desenvolvida”, vinca a APSL em comunicado enviado às redações.

 

Relacionadas

Marques Mendes antevê o regresso do “pântano” político após 2019

“O Governo minoritário do PS é a solução mais provável. Um governo minoritário à Guterres”, explicou o comentador. Um governo minoritário sem apoio parlamentar é instável, precário e transitório, defendeu.

Fenprof desafia professores para concentração em Lisboa durante negociações com Governo

O desafio foi lançado pelo secretário-geral, Mário Nogueira, no encerramento do encontro internacional sobre o desgaste dos professores, iniciativa da Fenprof que decorreu em Lisboa.

Mais de 80% dos professores querem reforma antecipada

Durante os meses de fevereiro e março, cerca de 19 mil professores responderam a um questionário com mais de 100 perguntas que resultou no “Inquérito Nacional sobre as Condições de Vida e Trabalho na Educação em Portugal”, hoje apresentado em Lisboa.

Maioria dos professores queria suspender greve mas proposta do Governo fê-los recuar

Quase 70% dos professores estavam dispostos a suspender a greve caso fossem retomadas as negociações, segundo os resultados do inquérito levado a cabo por dez organizações sindicais que, em quatro dias, conseguiram recolher a opinião de mais de 50 mil docentes.
Recomendadas

Reitor da Universidade de Lisboa arrasa medida de Manuel Heitor

António Cruz Serra criticou duramente a decisão do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de cortar 5% nas vagas das áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto. Foi esta quinta-feira na abertura do ano letivo 2018/2019, abrilhantada pela Lição de Sapiência de Marcelo Rebelo de Sousa.

InnoEnergy abre concurso para startups. Prémio é de 100 mil euros

As 15 start-ups mais inovadoras recebem um pacote de serviços feito à medida e a vencedora receberá ainda um prémio de 100 mil euros.

Como se contrata um executivo e se entra no radar do “headhunter”

Fernando Neves de Almeida, managing Partner da Boyden Global Executive Search Portugal, explica ao Jornal Económico como se pode o candidato diferenciar, que cuidados deve ter a empresa na contratação de um executivo e como se entra no radar de um “headhunter”.
Comentários