Quanto custou salvar o euro? 1,2 biliões de euros, responde o Deutsche Bank

Há cinco anos, Draghi afirmou que iria fazer tudo o que fosse necessário para salvar o euro. O Deutsche Bank calculou que o esforço custou 1,2 biliões, um número que levou os analistas a identificar “uma confluência estranha que faz lembrar o Código Da Vinci”.

Ler mais

Cinco anos depois da célebre frase de Mario Draghi, “tudo o que for necessário” para salvar o euro, estão à vista, com o Banco Central Europeu (BCE) já a planear a discussão sobre a redução dos estímulos. Em 2012, no auge da crise da dívida soberana, muitos temiam que o euro pudesse ter uma solução, o presidente do BCE não teve mãos a medir e garantiu que faria de tudo para salvar o euro.

“Durante o nosso mandato, o BCE está preparado para fazer o que for necessário para preservar o euro e acreditem que tal será suficiente”, disse Draghi em Londres, numa conferência de investidores.

Passados cinco anos, poucos analistas duvidam que a estratégia do BCE tenha resultado, pelo menos até agora. Para assinalar o marco (que teve lugar a 26 de julho) , Luke Templeman e outros analistas do Deutsche Bank questionaram quanto custou essa operação para salvar a moeda europeia.

“Cerca de 1,2 biliões de euros [1,2 milhões de milhões]”, responderam os analistas do banco alemão, citados pela Bloomberg. “É esse o valor da subida da folha de balanço do BCE na meia década desde o discurso de Draghi em Londres (um local irónico tendo em conta a perspetiva atual post-Brexit)”.

Templeman e os colegas notaram ainda que várias coisas mudaram por esse mesmo montante nos últimos cinco anos “numa confluência estranha que faz lembrar o Código Da Vinci”, fazendo referência ao bestseller de Dan Brown sobre conspirações e coincidências históricas.

Identificaram três pontos nessa confluência: o Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro cresceu cerca de 1.2 biliões de euros; a folha de balanço da Reserva Federal norte-americana aumentou perto de 1,2 biliões de euros, e a capitalização total dos títulos das chamadas FANG (as gigantes tecnológicas americanas Facebook, Amazon, Netflix e Alphabet) também disparou o equivalente a cerca de 1,2 biliões de euros.

Os analistas alertam, no entanto, que não se pode dar importância exagerada a essa coincidência, lembrando que “para os números norte-americanos serem relacionados, teria sido necessário que todos os títulos que a Reserva Federal comprou tivessem levado as pessoas a gastar mais tempo nesses sites (FANG)”.

Relacionadas

A frase (de Draghi) que salvou o euro faz cinco anos

Na altura, toda a zona euro se debatia com a crise da dívida soberana e Portugal, a lidar com o programa de ajuda externa, pagava 11% de juros.

Draghi aponta início do fim para o outono

Já há data para o BCE começar a discutir o fim do ‘quantitative easing’, mas o presidente do banco manteve quase tudo em aberto.

Draghi revela que o fim dos estímulos será discutido no outono

“A inflação ainda não é o que queremos que seja. Estamos confiantes de que gradualmente chegará lá, mas ainda não está lá”, explicou o presidente do BCE para justificar porque é que o programa de compra de ativos ainda é necessário.
Recomendadas

Preços da habitação aumentam 11,2% no segundo trimestre

Apesar da subida, os dados do INE revelaram uma interrupção da aceleração dos preços, que tinha sido consecutiva durante os cinco trimestres anteriores.

Défice do primeiro semestre fixou-se em 1,9%

Dados revelados pelo INE esta sexta-feira revelam melhoria face aos primeiros seis meses de 2017, no qual o saldo global das Administrações Públicas (AP) se tinha fixado em 6,1%, devido ao impacto da recapitalização da CGD.

Já não há dúvidas. INE confirma pela segunda vez que CGD entra no défice de 2017

A confirmação foi dada pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), que enviou esta sexta-feira para o Eurostat a segunda notificação anual no âmbito dos Procedimento dos Défices Excessivos (PDE).
Comentários