Rendibilidade das empresas não financeiras aumentou para 7,3%, em 2017

Este indicador tem registado um crescimento contínuo, desde 2014. Evolução em 2017 foi de 0,3 pontos percentuais,, mas, em três anos, aumento registado foi de 1,8 pontos percentuais.

Ler mais

A rendibilidade das empresas não financeiras em Portugal aumentou 0,3 pontos percentuais no ano passado, face a 2016, para 7,3%, suportada por todos o sectores, menos a eletricidade, mostram os dados divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal.

Este indicador tem registado um crescimento contínuo, desde 2014. Em três anos, aumento registado foi de 1,8 pontos percentuais.

Em 2017, a rendibilidade – medida pelo rácio entre EBITDA e o total do ativo – aumentou em todos os setores de atividade, exceto no setor da eletricidade, no qual diminuiu 1,1 pontos percentuais.

O maior incremento registou-se no sector das sedes sociais (supervisão e gestão de outras unidades de um grupo ou empresa, nomeadamente, nos domínios do planeamento estratégico e organizativo), que aumentou 0,7 pontos percentuais, para 4,6%.

Na indústria, o aumento foi de 0,6 pontos percentuais, para 10,1%, e no sector de “outros serviços”, foi de 0,5 pontos percentuais, para 7,1%.

O Banco de Portugal refere que a autonomia financeira (rácio entre o capital próprio e o ativo total) aumentou 0,9 pontos percentuais, para 36,3%, e que o peso dos financiamentos obtidos no total do ativo reduziu-se um ponto percentual, para 35,6%, no quarto trimestre de 2017.

O custo do financiamento das empresas não financeiras caiu 0,3 pontos percentuais em 2017, para 3,0%.

Recomendadas

China chama embaixador dos EUA após sanções impostas contra o Exército

Em causa estão a sanções impostas pelo Governo norte-americano ao Equipment Development Department (EDD), responsável pelas armas e equipamentos do exército chinês, e ao seu diretor, Li Shangfu, por ter comprado armamento à empresa Rosoboronexport, exportadora russa de armamento, que já havia sido sancionada por Washington.

Marcas ocidentais perdem terreno nas preferências dos consumidores chineses

Enquanto a Apple, IKEA, Nike ou BMW perdem popularidade, marcas chinesas como a Alipay, Huawei ou Taobao sobem no índice de preferência dos consumidores.

Preços da eletricidade e gás em Espanha e Portugal são dos mais caros da União Europeia

No segundo semestre de 2017, a Espanha foi o sexto país da União Europeia com eletricidade mais cara (Portugal foi o quinto), segundo dados compilados pelo Eurostat. No topo desta tabela destacam-se a Alemanha, a Dinamarca e a Bélgica.
Comentários