Santander lança bolsas para países ibero-americanos

São 210 bolsas de mobilidade destinadas a estudantes, professores e investigadores.

Estudantes, professores e investigadores podem usufruir de mobilidade internacional à ‘boleia’ de uma bolsa de estudos no âmbito do Programa de Bolsas de Mobilidade do Santander Universidades, como fizeram no ano passado estes alunos da Universidade de Coimbra.

Este ano, o Santander disponibiliza 210 bolsas para candidatos de 32 universidades e institutos politécnicos em Portugal. Custo total: meio milhão de euros.

Os alunos de licenciatura e de mestrado podem candidatar-se ao Programa de Bolsas Ibero-Americanas e usufruir de um intercâmbio de seis meses numa universidade participante. Já os professores e investigadores do Programa de Bolsas Santander Investigação podem beneficiar da estadia de dois meses – ou, se forem alunos de doutoramento, de uma bolsa de quatro meses. As candidaturas aos dois programas têm de ser formalizadas nos gabinetes de Relações Internacionais de cada instituição e submetidas no site da iniciativa.

O programa do Santander é desenvolvido em dez países – Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Espanha, México, Peru, Portugal, Porto Rico e Uruguai – sendo disponibilizadas cerca de 3.000 bolsas para estudantes de licenciatura e mestrado e 250 de investigação, num investimento anual de dez milhões de euros.

Artigo publicado no “Educação Internacional” do Jornal Económico a 10-05-2019

Recomendadas

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.

Cabral dos Santos revela carta onde Berardo pede à CGD crédito de 350 milhões para comprar ações do BCP

“A carta de Joe Berardo a Carlos Santos Ferreira de 10 de novembro de 2016 evidencia que foi a Fundação Berardo tomou a iniciativa de consultar a Caixa” [para o empréstimo de 350 milhões de euros]. A operação ou era feita com rácio de cobertura por garantias de 105% ou não se fazia. Essa era condição do cliente. A operação fez-se apesar de o parecer do risco ter inicialmente exigido uma cobertura de 120%.
Comentários