Santander lança bolsas para países ibero-americanos

São 210 bolsas de mobilidade destinadas a estudantes, professores e investigadores.

Estudantes, professores e investigadores podem usufruir de mobilidade internacional à ‘boleia’ de uma bolsa de estudos no âmbito do Programa de Bolsas de Mobilidade do Santander Universidades, como fizeram no ano passado estes alunos da Universidade de Coimbra.

Este ano, o Santander disponibiliza 210 bolsas para candidatos de 32 universidades e institutos politécnicos em Portugal. Custo total: meio milhão de euros.

Os alunos de licenciatura e de mestrado podem candidatar-se ao Programa de Bolsas Ibero-Americanas e usufruir de um intercâmbio de seis meses numa universidade participante. Já os professores e investigadores do Programa de Bolsas Santander Investigação podem beneficiar da estadia de dois meses – ou, se forem alunos de doutoramento, de uma bolsa de quatro meses. As candidaturas aos dois programas têm de ser formalizadas nos gabinetes de Relações Internacionais de cada instituição e submetidas no site da iniciativa.

O programa do Santander é desenvolvido em dez países – Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Espanha, México, Peru, Portugal, Porto Rico e Uruguai – sendo disponibilizadas cerca de 3.000 bolsas para estudantes de licenciatura e mestrado e 250 de investigação, num investimento anual de dez milhões de euros.

Artigo publicado no “Educação Internacional” do Jornal Económico a 10-05-2019

Recomendadas

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.

BCP convoca assembleia de obrigacionistas para discutir fusão do BII

A assembleia geral de obrigacionistas realizar-se-à no dia 21 de outubro, pelas 9h00, no edifício 5 do Taguspark, onde se situam as instalações do banco. BCP garante que a fusão não terá impacto para os trabalhadores do BII e que a sua incorporação contabilística no banco liderado por Miguel Maya será considerada a partir do dia 1 de janeiro de 2019, se entretanto a operação for autorizada pelo Banco Central Europeu.

BCE analisa auditoria do BCP sobre contratação de ex-assessor de Pinho, mas idoneidade de Paulo Macedo não está em avaliação

A idoneidade de Paulo Macedo enquanto presidente da CGD não está a ser avaliada. O que está a ser estudado é se o caso da contratação de João Conceição tem motivos para abrir um processo de Fit & Proper.
Comentários