Será a Fundação Trump um ‘livro de cheques’ para pagar as despesas de Trump? Procuradora de Nova Iorque diz que sim

A Procuradoria vai processar o Presidente, os seus dois filhos Eric e Donald e a Fundação “por violações persistentes e prolongadas das leis estaduais e federais”.

A Procuradoria-Geral do estado norte-americano de Nova Iorque acusou hoje Donald Trump de desvio de fundos da sua fundação para fins pessoais, entre várias outras ilegalidades, e lançou uma ação judicial para obter a dissolução da instituição.

“Como demonstra o inquérito, a Fundação Trump já não era mais que um livro de cheques para pagar as despesas de Trump e das suas empresas através de organizações sem fins lucrativos”, afirmou a procuradora-geral, Barbara Underwood, em comunicado.

Underwood precisou que a fundação se envolveu numa “profunda cooperação política ilegal” na campanha para as presidenciais de 2016, com “auto-negócios repetidos e deliberados” para beneficiar os seus interesses pessoais e empresariais, violando “obrigações legais de base” da organização sem fins lucrativos.

A Procuradoria vai processar o Presidente, os seus dois filhos Eric e Donald e a Fundação “por violações persistentes e prolongadas das leis estaduais e federais”.

Recomendadas

Caso dos e-mails: Sporting estranha falta de esclarecimentos do Benfica

Segundo fonte oficial dos ‘leões’, as várias intervenções públicas dos ‘encarnados’ não serviram ainda para explicar “qualquer um dos inúmeros assuntos, muitos deles graves, expostos nos conhecidos e-mails”.

António Sá da Costa nega existência de “rendas excessivas na eletricidade renovável”

Em audição na Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, o presidente da APREN defendeu que “os investimentos na eletricidade renovável trouxeram grandes benefícios para a economia e para o cidadão”.

“É cedo” para avaliar o impacto económico do ‘shutdown’ e dos ‘coletes amarelos’, estima FMI

“Quanto mais durar, mais significativo será o efeito”, afirmou o porta-voz do FMI, Gerry Rice, sobre o encerramento parcial da administração federal norte-americana (“shutdown”), que dura há quase um mês e que já é o mais longo da história dos Estados Unidos.
Comentários