SOFID e Casais assinam protocolo de financiamento

A SOFID e o grupo Casais assinam protocolo que define linhas de colaboração com vista ao financiamento de projeto de investimento em Angola.

Reuters

A SODIF e o grupo construtor Casais têm vindo a colaborar na estruturação de operações financeiras para o financiamento de projetos que o grupo empresarial tem desenvolvido nos países africanos de língua portuguesa, nomeadamente, em Angola e Moçambique.

Em comunicado oficial, as duas entidades infirmam que, “consolidando a sua presença em Angola, o grupo Casais, através da sua subsidiária Metalser, pretende agora desenvolver no Pólo Industrial de Viana uma importante unidade industrial de fabrico e montagem de serralharias de ferro e estruturas metálicas, tendo em vista a distribuição e comercialização dos referidos produtos e serviços conexos com a indústria metalúrgica”.

Com o apoio a este projeto, a SOFID vê fortalecido o seu contributo para os objetivos do desenvolvimento sustentável por via da criação de postos de trabalho e da transferência de know-how para o mercado angolano.

Por outro lado, diz ainda o documento, a produção dos elementos de serralharia de ferro e estruturas metálicas permitirá ainda reduzir o volume de importação dos mesmos materiais reforçando a Casais, como empresa de renome num setor que carece de investimento no país.

A SOFID visa contribuir para o progresso sustentável de países emergentes e em desenvolvimento, “em articulação com os objetivos e estratégia do Estado português em matéria de internacionalização, economia, cooperação e ajuda pública ao desenvolvimento”.

A SOFID tem por objeto a prática das operações permitidas aos bancos, financiando projetos de investimento de empresas com interesses portugueses em países alvo da cooperação económica e de desenvolvimento portuguesa em particular nos países membros da CPLP.

“A ação da SOFID estende-se também a geografias de proximidade, como o Norte de África, e ainda a outros países onde as empresas portuguesas possam ter interesses, como na América Latina ou na África”.

Ler mais
Recomendadas

Ana Brazão do GEOTA: “Temos que desmistificar o papel das barragens na luta contra as alterações climáticas”

Engenheira ambiental e coordenadora do projeto Rios Livres do GEOTA, Ana Brazão diz que as barragens emitem gases com efeito de estufa e alerta para o impacto nos ecossistemas dos rios que “são hoje os ‘habitats’ mais ameaçados do planeta”. Em alternativa, defende a aposta na eficiência energética. E antecipa a 2ª Cimeira Europeia dos Rios que vai realizar-se no Porto, em 2020.

Navigator estima perda de 10 mil toneladas de papel devido à paragem de produção na Figueira da Foz

A suspensão temporária da fábrica deveu-se ao furacão Leslie, que passou por Portugal no final da semana. Em comunicado enviado esta sexta-feira, a empresa da pasta e do papel informou que a água, a eletricidade e as telecomunicações do centro fabril já foram restabelecidos.

Multicare: valor de prémios anual atinge 270 milhões de euros em 2017

A marca também reforçou a liderança do mercado de seguros de saúde em Portugal, alcançando uma quota de mercado de 37%, em setembro último.
Comentários