Sonae Capital vende ativo imobiliário em Lagos por mais de 20 milhões de euros

A empresa, liderada por Miguel Gil Mata explica que a venda do ativo imobiliário enquadra-se na estratégia de desinvestimento em ativos não core que se destina a “potenciar o crescimento do seu portefólio e manter uma estrutura de capital adequada à tipologia de negócios e activos detidos pelo grupo”.

A Bloco Q, uma sociedade imobiliária da Sonae Capital, vendeu um ativo imobiliário por 20,650 milhões de euros no qual opera a unidade hoteleira Aqualuz – Suite Hotel Apartamentos, localizado em Lagos, no Algarve.

Em comunicado divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Sonae Capital afirma que “através da sua participada Bloco Q, Sociedade Imobiliária, S.A., chegou a acordo com o Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Imofomento, relativamente aos termos e condições para proceder à alienação, pelo valor de 20,650 milhões de euros, do activo imobiliário no qual opera a unidade hoteleira Aqualuz – Suite Hotel Apartamentos”.

A empresa, liderada por Miguel Gil Mata explica que a venda do ativo imobiliário enquadra-se na estratégia de desinvestimento em ativos não core que se destina a “potenciar o crescimento do seu portefólio e manter uma estrutura de capital adequada à tipologia de negócios e activos detidos pelo grupo”.

A Sonae Capital antecipa que esta venda terá um impacto de cerca de -1,9 milhões de euros.

A escritura de compra e venda deverá fazer-se “previsivelmente” ainda em 2020.

(notícia corrigida às 22h46 com a localização do ativo imobiliário que fica em Lagos e não em Tróia)

Ler mais
Relacionadas

Administradores e entidades relacionadas vendem participações na Sonae Capital

A empresa comunicou esta sexta-feira a venda de várias participações de administradores e entidades relacionadas com estes, no âmbito da oferta lançada pela Efanor, no dia 28 de outubro, por 0,77 euros por ação.

Efanor fica com 92,3% da Sonae Capital e 86,2% da Sonae Indústria após as OPA

A Efanor informou à Euronext que quer proceder à aquisição potestativa das ações que não foram adquirida nas OPA e que se as condições para isso não acontecerem, “pretende promover a perda de qualidade de sociedade aberta”. Se nenhuma das situação se verificar as serão excluídas de negociação do mercado regulamentado. Para já, a Sonae Capital sai do PSI 20 a 30 de outubro.

Revisão do preço da OPA não altera parecer positivo da Sonae Capital ao preço da oferta

Esta semana a Efanor, ‘holding’ da família Azevedo, reviu em alta de 10% a contrapartida na Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Sonae Capital. A administração considera o preço adequado e que os acionistas devem vender na OPA.
Recomendadas

Netflix adicionou 3,98 milhões de assinantes no primeiro trimestre mas falhou perspetivas

A empresa de streaming já alertava que o crescimento iria desacelerar à medida que os cidadãos fossem vacinados e retomassem as suas rotinas. Ainda assim, e apesar dos inúmeros avisos, os investidores não esperavam que a quebra fosse tão drástica e ficasse abaixo das expectativas. 

CaixaBank prevê reduzir 8.291 trabalhadores em Espanha na sequência da fusão com Bankia

É a maior redução do quadro de pessoal da história da banca em Espanha, segundo o El País. Os ajustes afetam o CaixaBank Espanha e não as filiais do grupo no exterior, o que é uma boa notícia para o BPI.

Agência Abreu antecipa reembolsos de milhões das viagens canceladas por causa do Covid

A Abreu decidiu encurtar o tempo legal e avançar com o processo de reembolsos que envolve cifras de dois dígitos em milhões de euros. A obrigatoriedade legal apontava para janeiro de 2022, mas a Agência Abreu está a antecipar o pagamento de reembolsos aos seus clientes já para os próximos dias.
Comentários