Tancos: Ministério da Defesa recebeu memorando da PJM a explicar operação de encobrimento

No documento, que não está datado nem tem qualquer assinatura, refere-se que a entrega das armas foi combinada com um informador da PJM.

Um memorando da Polícia Judiciária Militar (PJM) foi entregue no Ministério da Defesa pelo major Vasco Brazão,  então diretor da Polícia Judiciária Militar (PJM) e pelo coronel Luís Vieira, em novembro de 2017, a explicar a operação de encobrimento do rouba das armas no paiol de Tancos. A edição online do semanário “Expresso” noticiou que o documento é explicito sobre a situação, incluindo a condição para a entrega das armas – de que a Polícia Judiciária (PJ) não fosse chamada a intervir.

O documento foi, garante a edição online do semanário da Impresa, ao ex-chefe do gabinete do ministro Azeredo Lopes. Algo que o ministro da Defesa negou “categoricamente” ao indicar que não tinha conhecimento da operação de encobrimento.

No documento, que não está datado nem tem qualquer assinatura, refere-se que a entrega das armas foi combinada com um informador da PJM. O texto não identifica o informador nem sugere que este tenha qualquer ligação direta ou indireta com o assalto realizado no final de junho de 2017.

Recomendadas

Parecer da PGR sustenta transmissão de audição a Berardo. Interesse público prevalece, diz presidente da CPI à CGD

O interesse público prevalece sobre outro tipo de argumentos que possam condicionar o escrutínio e a transparência associadas às audições da nova comissão parlamentar de inquérito (CPI) à CGD. A conclusão é do presidente da nova CPI à Caixa e está suportada num parecer do conselho consultivo da PGR que sustenta transmissão televisiva de audição a Joe Berardo. É a resposta advogado do empresário que pretende avançar com processo de violação do direito à imagem contra os deputados.

PJ faz buscas no grupo Lusíadas Saúde e no Hospital de Cascais

De acordo com informações avançadas pela SIC Notícias, em causa estão denúncias de falseamento de resultados clínicos.

Tribunal condena oito agentes da PSP no caso da Cova da Moura

O Tribunal de Sintra condenou hoje oito dos 17 polícias da Esquadra de Alfragide, concelho de Amadora, acusados de agressões e insultos racistas a seis jovens da Cova da Moura, em 2015, mas absolveu-os de racismo e tortura.
Comentários