Trump poderá perdoar militares acusados ou condenados por crimes de guerra

O “New York Times” informa que Trump solicitou a preparação imediata da documentação necessária, indicando que está a considerar perdoar estes homens acusados e condenados no próximo feriado, Memorial Day a 27 de maio.

O presidente dos EUA, Donald Trump, pediu que os vários militares norte-americanos que foram acusados ou condenados por crimes de guerra, incluindo um soldado que disparou contra civis desarmados enquanto estava no Iraque, sejam perdoados.

A notícia é avançada pelo “New York Times”, que informa também que Trump solicitou a preparação imediata da documentação necessária, indicando que está a considerar perdoar estes homens acusados e condenados no próximo feriado, Memorial Day a 27 de maio, um feriado dedidado em homenagear os militares americanos que morreram em combate.

O processo de perdão normalmente leva meses, mas o Departamento de Justiça pressionou para que o trabalho seja concluído antes do fim de semana do feriado, disse um dos funcionários.

Um dos pedidos é para o chefe de Operações Especiais, Edward Gallagher, dos SEALs da Marinha, que será julgado nas próximas semanas sob a acusação de atirar sob civis desarmados e matar um inimigo com uma faca enquanto estava no Iraque.

Acredita-se também que seja incluído o caso do major Mathew Golsteyn, um Boina Verde do Exército acusado de matar um afegão desarmado em 2010, informou o Times.

 

Ler mais
Recomendadas

Primeiro-ministro de Cabo Verde: “Não queremos criar modelo de turismo que aumente zonas de barracas”

Ulisses Correia e Silva disse que o governo cabo-verdiano está a investir 1,8 milhões de contos para dar qualidade e dignidade às zonas de barracas nas ilhas da Boavista e do Sal.

Mette Frederiksen é a cara do novo governo de coligação na Dinamarca

Partido Social-Democrata da Dinamarca anunciou ontem um acordo com três partidos do centro-esquerda para formar um governo minoritário, com um programa assente na ecologia e proteção social, mas também no controlo da imigração.

Nicolás Maduro promete ser ‘implacável’ com tentativa de golpe de Estado

“O que pode acontecer é uma revolução mais radical, uma revolução mais profunda”, disse o presidente da Venezuela.
Comentários