União Africana confiante na adesão dos PALOP ao livre-comércio

Os seis países que compõem os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa assinaram mas ainda não ratificaram o acordo para a nova zona de livre-comércio e livre-circulação em África, que entrou em funcionamento a 30 de maio.

O comissário do Comércio e Indústria da União Africana, Albert Muchanga, mostrou-se este sábado otimista com a adesão dos países de língua portuguesa ao acordo continental de livre-comércio e explicou que a Guiné Equatorial pediu a tradução dos termos do tratado para espanhol.

Os seis países que compõem os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) assinaram mas ainda não ratificaram o acordo para a nova zona de livre-comércio e livre-circulação em África (AfCFTA, na sigla em inglês) que entrou em funcionamento em 30 de maio.

“Vão todos assinar”, disse Muchanga, dando o exemplo de Angola, como uma das economias que irá entrar nesse comboio diplomático. “O governo de Angola pediu-nos para ir lá e quando eu tiver tempo irei lá” para “explicar e discutir os termos do acordo”, explicou o comissário, em entrevista à agência Lusa em Moscovo.

O caso da Guiné Equatorial, o mais recente membro dos PALOP e o país mais rico per capita do continente graças ao petróleo, é diferente.

“A Guiné Equatorial queria o acordo em espanhol. Na União Africana, temos quatro línguas oficiais – inglês, árabe, francês e português – mas a Guiné Equatorial é o único país de língua espanhola e tivemos de traduzir toda a documentação, o que atrasou o processo”, explicou Muchanga, que não referiu o facto de o país ter adotado a língua portuguesa (e a francesa) como uma das línguas oficiais.

O acordo prevê o fim das barreiras alfandegárias em 90 por cento dos bens e os bens que irão ainda ser tarifados terão de ser acordados entre os países-membros, segundo a vontade política de cada um.

Moscovo acolhe esta semana os encontros anuais do Afreximbank depois de a Rússia ter entrado no lote de acionistas do banco, em 2017, e num momento em que o Kremlin quer reforçar o comércio externo com África, um continente que tem assistido a uma presença crescente da China.

A Lusa viajou para Moscovo a convite do Afreximbank

Ler mais
Recomendadas

Isabel dos Santos diz que Angola vive em “instabilidade”

“Estão a viver-se momentos difíceis, não há dúvida. Estamos a viver momentos de grandes dúvidas e o que é fundamental e importante é que se respeite o Estado de Direito. É muito importante que se respeitem as leis, é muito importante que não haja atropelos entre os três poderes, que as pessoas tenham confiança na Justiça”, diz empresária angolana.

Isabel dos Santos diz que não usa dinheiro público angolano para investir

“Trabalho com bancos em Cabo Verde, com bancos em outros países africanos, bancos que nos apoiam, que acreditam nos projetos, que acreditam na validade dos projetos que nós propomos. Portanto, tenho muitas dívidas”, afirma a empresária angolana.

Capital da CV Telecom vai ser dispersado em 2020

O ministro das Finanças de Cabo Verde, Olavo Correia, anunciou esta sexta-feira na conferência da Lusa que em 2020 o capital da CV Telecom será dispersado em bolsa, através de convite a empresas estrangeiras.
Comentários