Vaticano e China assinam acordo para a nomeação de bispos católicos romanos

O acordo conjunto foi alcançado este sábado, 22 de setembro, sobre a nomeação de bispos católicos romanos, embora alguns críticos afirmem que o mesmo é vendido ao governo comunista.

REUTERS/Tony Gentile

O Vaticano e a China chegaram a um acordo para a nomeação de bispos católicos romanos, revela a agência “Reuters”. O acordo provisório, assinado em Pequim por vice-presidentes de ambos os lados, foi anunciado aquando da visita do Papa Francisco à Lituânia, numa viagem de quatro dias aos países bálticos.

O Vaticano referiu que este acordo “não é político, mas pastoral”. O Vaticano terá agora uma palavra a dizer na nomeação dos bispos e concede ao Papa Francisco, o poder de veto sobre os candidatos. Cerca de 12 milhões de católicos da China estão divididos entre uma igreja na qual juram lealdade ao Vaticano e a Associação Patriótica Católica, supervisionada pelo Estado.

A possibilidade de tal acordo dividiu comunidades de católicos em toda a China, alguns dos quais temem uma maior repressão, caso o Vaticano ceda mais controlo a Pequim.

Recomendadas

“Ele soa como nós”. Ex-líder do Klu Klux Klan elogia Bolsonaro

“Ele é sem dúvida um descendente europeu. Parece-se com qualquer homem branco nos EUA, em Portugal, Espanha ou Alemanha e França”, qualificou o David Burke, ex-líder do Klu Klux Klan.

Dívida pública de Angola estimada em 70 mil milhões de dólares

Situação foi relatada hoje pela secretária de Estado para o Orçamento de Angola, Aia Eza da Silva, quando procedia a apresentação do Quadro Macroeconómico 2019 e os Limites da Despesa para Elaboração do Orçamento Geral do Estado (OGE) 2019.

Bolsonaro cresce nas intenções de voto, revela sondagem

Bolsonaro é o favorito à vitória na 2ª volta das eleições do Brasil. Francisco Haddad só leva a melhor entre os mais pobres e entre os eleitores do nordeste do Brasil. Brasileiros voltam às urnas dia 28.
Comentários