Vaticano e China assinam acordo para a nomeação de bispos católicos romanos

O acordo conjunto foi alcançado este sábado, 22 de setembro, sobre a nomeação de bispos católicos romanos, embora alguns críticos afirmem que o mesmo é vendido ao governo comunista.

REUTERS/Tony Gentile

O Vaticano e a China chegaram a um acordo para a nomeação de bispos católicos romanos, revela a agência “Reuters”. O acordo provisório, assinado em Pequim por vice-presidentes de ambos os lados, foi anunciado aquando da visita do Papa Francisco à Lituânia, numa viagem de quatro dias aos países bálticos.

O Vaticano referiu que este acordo “não é político, mas pastoral”. O Vaticano terá agora uma palavra a dizer na nomeação dos bispos e concede ao Papa Francisco, o poder de veto sobre os candidatos. Cerca de 12 milhões de católicos da China estão divididos entre uma igreja na qual juram lealdade ao Vaticano e a Associação Patriótica Católica, supervisionada pelo Estado.

A possibilidade de tal acordo dividiu comunidades de católicos em toda a China, alguns dos quais temem uma maior repressão, caso o Vaticano ceda mais controlo a Pequim.

Recomendadas

Acordo sobre novas regras de aplicação do Acordo de Paris é “equilibrado”, diz a Comissão Europeia

O ‘livro de regras’ (sobre o Acordo de Paris) é fundamental para tornar possível a ação em prol do clima e todos os níveis no mundo e o sucesso aqui também significa sucesso para o multilateralismo e a ordem global”, afirmou, Miguel Arrias Cañete

Michel Houellebecq: o mais recente defensor europeu de Donald Trump

O escritor francês, célebre pelos seus livros provocatórios, diz na revista norte-americana ‘Harper’s’ que “Donald Trump é um dos melhores presidentes” de sempre.

Marine Le Pen ganharia hoje a primeira volta das eleições presidenciais francesas

Segundo os resultados do inquérito do semanário francês, se os candidatos de há vinte meses fossem os mesmos, 27% dos inquiridos votariam na Frente Nacional, partido de Marine Le Pen.
Comentários