Wall Street fecha em alta com o reforço da tese da queda dos juros nos EUA

O ambiente positivo de Wall Street resulta do facto do presidente da Fed ter mostrado abertura para descer os juros nos EUA já este mês. Escalada dos preços do petróleo, no dia em que foi revelado que as reservas de crude nos Estados Unidos desceram bastante mais que o previsto na semana passada.

Andrew Kelly/Reuters

Wall Street fechou esta terça-feira com ganhos nos três índice. O Dow Jones fechou a valorizar + 0,29% para os 26.860,2 pontos; o S&P 500 avançou + 0,45% para 2.993 pontos e o Nasdaq ganhou + 0,75% para 8.202,5 pontos, após o discurso de Jerome Powell no Congresso dos EUA. Logo após as palavras do presidente da Federal Reserve (Fed) no Comité de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes os três principais índices de Nova Iorque atingiram recordes, mas não conseguiram terminar a sessão nesses níveis.

O caso do S&P 500 foi significativo, já que chegou a superar a barreira psicológica de 3.000 pontos.

Os investidores estiveram animados por um documento que cita alguma abertura do presidente da Fed para descer juros. Mais tarde serão divulgadas as atas da última reunião da Fed, com o mercado a procurar indicações quanto aos possíveis cortes da taxa de juro diretora nos próximos meses.

Powell, no seu discurso, apontou que as tensões comerciais e as preocupações com a evolução da economia global “continuam a pesar sobre as perspectivas económicas dos EUA”.

Assim, reforçou a tese de uma queda nas taxas de juros.

A escalada dos preços do petróleo, no dia em que foi revelado que as reservas de crude nos Estados Unidos desceram bastante mais que o previsto na semana passada, puxou pelo setor energético.

Dentro do Dow Jones, a petrolífera Chevron foi a empresa mais animada, com uma subida de 1,69%, à frente da Pfizer (+ 1,57%) e da Exxon Mobil (+ 1,43%). No lado oposto da tabela, a Caterpillar é o título mais punido, com uma queda de 1,22%, seguida da Goldman Sachs (-0,87%) e da Dow Inc (-0,67%).

No meio empresarial a T-Mobile (+4,63%), American Airlines (+1,79%) e a Comcast (+1,88%) também tiveram boas performances na sessão.

O mercado do petróleo esteve animado, com o crude West Texas a disparar 4,31% para 60,32 dólares. Os futuros do Brent, referência na Europa, avançam 3,79% para 66,59 dólares.

 

Ler mais
Relacionadas

Ganhos da banca não chegam para travar perdas das bolsas europeias

Na Europa a escalada do petróleo puxou pelo setor energético. Mas a maioria das praças europeias encerrou em baixa. Na Zona Euro o setor da banca também em evidência pela positiva. O BCP liderou as subidas na praça de Lisboa.

Bancos centrais entram em palco

Sem grandes alterações no cenário para hoje não é de esperar movimentações relevantes nos principais mercados, a menos claro que um qualquer tweet de Trump altere esse pressuposto.
Recomendadas

PSI 20 navega no ‘verde’ embalado pela Pharol e Sonae Capital

Praça lisboeta fechou a sessão desta terça-feira com uma ligeira subida de 0,03% para 5.261,51 pontos, seguindo a tendência das congéneres europeias.

BCE irá comprar 25 mil milhões de euros por mês de dívida da zona euro, estima Goldman Sachs

Goldman Sachs estima que o Banco Central Europeu invista até 225 mil milhões de euros em dívida. Entre os países mais beneficiados estarão Portugal, Espanha e Irlanda.

Resultados da banca puxam Nova Iorque para queda na abertura

O Goldman Sachs com bom registo no trading e lucros acima do esperado; o JP Morgan registou menos provisões o que ajudou a sustentar as contas do 2.ºtrimestre; e no Wells Fargo o ambiente de menores taxas de juro penaliza as contas. O dia de Wall Street é dedicado à banca.
Comentários